Economia

Informais: contingente cresce, segue desprotegido e com renda menor

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Informalidade explode no Brasil e economia seguirá em ritmo desacelerado (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

Desprotegidos e sem qualquer tipo de lei que ajude na renda mensal, os trabalhadores informais estão cada vez mais numerosos no Brasil e já são 4 em cada 10 profissionais ocupados, segundo dados do IBGE.



Vagas informais na construção, agricultura e serviços domésticos, que imperam neste momento, tendem a contribuir pouco com a economia brasileira, já que são reconhecidas por economistas como os setores que pagam menos aos trabalhadores.

+ FGV: indicador de emprego volta a cair em setembro

E com as pessoas trabalhando em condições piores e mal remuneradas, sem carteira de trabalho e sem CNPJ, entrando e saindo de empregos que contribuem muito pouco para sua formação profissional, a aceleração econômica tende a seguir patinando nos próximos anos. No trimestre até julho deste ano, a taxa de informalidade bateu 40,8%, segundo dados do IBGE, que mostraram o efeito da pandemia nesses trabalhadores diretamente impactados com as restrições promovidas pela covid-19.

Um projeto de lei que tramita no Senado Federal, o PL 5.343/20, que estabelece uma Lei de Responsabilidade Social, quer criar uma espécie de guarda-chuva para esses trabalhadores, que hoje são 36,3 milhões de um total de 89 milhões de ocupados no País.



A ideia é revisar programas como Bolsa Família, abono salarial, salário-família e seguro-defeso para conseguir absorver a massa de informais que perdem completamente a renda em períodos de desemprego. Dessa forma, o novo programa de ajuda ao trabalhador informal não precisaria de custos adicionais patrocinados pelo Orçamento do governo.

Além disso, o projeto de lei cria metas para os anos iniciais do programa, com redução de 12% para 10% da pobreza de famílias que vivem com renda per capita de R$ 250; e da pobreza extrema de 4% para 2% das famílias com renda abaixo dos R$ 120.

Neste momento o projeto está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e, se aprovado lá, pode ir ao plenário da Casa logo em seguida. Antes de virar lei, no entanto, o tema precisa passar pelo crivo da Câmara dos Deputados.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?