Economia

Inflação menor e queda de juros ajudaram na recuperação da economia, diz Ilan

Os fenômenos mais determinantes para a conjuntura econômica brasileira do ponto de vista do Banco Central no ano passado foram a queda de inflação e de juros, que ajudaram na recuperação da economia do País, disse, nesta terça-feira, 30, em São Paulo, o presidente do BC, Ilan Goldfajn.

Ilan Goldfajn disse que no final de 2015 e início de 2016, quando a inflação estava no pico, era muito difícil imaginar que a mesma atingisse o montante observado hoje. O IPCA encerrou o ano passado em 2,9%, abaixo do piso da meta.

Segundo ele, uma parte da redução da inflação foi ligada à atuação do BC, mas a queda maior do que o esperado ocorreu por conta da deflação dos alimentos, o que não está dentro do escopo de controle do Banco Central. “Isso não é algo que conseguimos influenciar diretamente com a política monetária”, disse em Conferência do Credit Suisse na capital paulista.

O presidente do BC disse ainda que a ancoragem das expectativas da inflação foi fundamental e lembrou que em 2016 os agentes de mercado projetavam para 2018 uma inflação da ordem de 8%. “A evolução das expectativas foi importante para a política monetária”, destacou. Ele frisou, ainda, que a queda da Selic no Brasil foi uma das mais rápidas do período de metas de inflação no País.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?