Economia

Indústria segue com atividade fraca e preocupação com baixo consumo cresce

Indústria segue com atividade fraca e preocupação com baixo consumo cresce

A indústria brasileira segue com baixa atividade e alta ociosidade. Dados da Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgados nesta tarde de segunda-feira, 22, mostram que a produção industrial em junho caiu na comparação com maio, registrando o índice de evolução em 43,4 pontos, e que a Utilização da Capacidade instalada (UCI) recuou um ponto porcentual no mês, para 66%, valor idêntico ao observado em 2018.

A CNI explica que o índice de evolução da atividade costuma mesmo ficar abaixo dos 50 pontos no mês de junho, porém o indicador é o menor para o mês dos últimos quatro anos, superando somente os de anos de crise mais aguda, em 2014 e 2015. Sobre a ociosidade, a entidade reforça que atividade segue muito abaixo do usual. O índice de UCI efetiva em relação ao usual registrou queda de 3,9 pontos, ficando em 39 pontos. “Este é o pior nível do índice desde maio de 2018, quando ocorreu a paralisação dos caminhoneiros”, ou, sem considerar a greve, desde abril de 2017.

O fraco desempenho do setor está relacionado, segundo a CNI, a três preocupações centrais: o baixo consumo, o excesso de estoques e a difícil situação financeira das empresas. De acordo com a entidade, a preocupação dos empresários com a falta de demanda não para de crescer e é o segundo principal obstáculo da indústria, atrás apenas da elevada carga tributária. A demanda interna insuficiente foi citada na pesquisa por 41,1% das empresas como um dos principais problemas enfrentados pelo setor no segundo trimestre deste ano. “A preocupação com a falta de demanda desestimula os empresários a aumentar a produção, fazer investimentos e criar empregos, o que dificulta ainda mais a recuperação da economia”, diz o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Na lista de preocupações do industrial, ainda estão a falta de demanda no mercado externo, que está ganhando importância, segundo a CNI; a falta ou o alto custo da matéria-prima; e dificuldades de acesso ao crédito.

Apesar das dificuldades, mostra a sondagem, as perspectivas do empresariado são otimistas. Os índices de expectativas continuam acima dos 50 pontos, revelando que os empresários esperam aumento da demanda, das compras de matérias-primas, do número de empregados e das exportações nos próximos seis meses.