Negócios

Indústria do Brasil tem queda inesperada em outubro e chega a 5 meses de perdas na produção

Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Fábrica de alumínio em Pindamonhangaba, SP (Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker)

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier



SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) – A produção industrial brasileira iniciou o quarto trimestre ainda em dificuldades, com queda inesperada em outubro e pelo quinto mês seguido, na esteira dos danos causados pela pandemia de Covid-19.

Em outubro, a produção da indústria brasileira registrou recuo de 0,6% na comparação com setembro, acumulando em cinco meses 3,7% de perdas.

+ Covid-19 suspende aulas de 99,3% das escolas de educação básica

Os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram ainda que, em relação a outubro de 2020, houve queda de 7,8%.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



Ambos os resultados foram bem piores do que as expectativas em pesquisa da Reuters com economistas, de alta de 0,6% na variação mensal e de perda de 5,0% na base anual.

A indústria nacional enfrenta um cenário de inflação e desemprego altos no país, ainda em meio a problemas na cadeia de oferta global, falta de matéria-prima e encarecimento dos custos de produção.

“Com cinco meses de queda, o setor fica 4,1% abaixo do nível pré-pandmia, de fevereiro do ano passado. E o setor está 20,2% abaixo do pico de maio de 2011. Mês a mês a indústria perde intensidade e força”, explicou o gerente da pesquisa, André Macedo.

Macedo destacou que o resultado de outubro mantém características que vêm sendo observadas ao longo do ano de predominância de taxas negativas e diretamente afetada pelos efeitos da pandemia da Covid-19.

“2021 é marcado por perfil disseminado de quedas. Há claramente uma perda de força do setor”, completou ele.

Em outubro, três das quatro grandes categorias econômicas e 19 dos 26 ramos pesquisados apresentaram perdas na produção.

As maiores influências negativas entre as atividades vieram de indústrias extrativas (-8,6%) –devido a quedas do minério de ferro e do petróleo– e produtos alimentícios (-4,2%) –por conta do açúcar, com a antecipação da safra da cana-de-açúcar na região Centro-Sul do país.

Entre as grandes categorias econômicas, a queda mais acentuada foi registrada por bens de consumo duráveis, de 1,9%. A fabricação de bens de consumo semi e não-duráveis recuou 1,2%, e a bens intermediários caiu 0,9%.

Somente a produção de bens de capital apresentou ganhos em outubro, de 2,0% em relação a setembro.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHB20H2-BASEIMAGE


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto