Giro

Indústria de alimentos quer diminuir desperdício e propõe flexibilizar data de vencimento

Crédito: Agência Brasil

Ideia da Abia é flexibilizar período de validade dos alimentos e evitar desperdício de produtos (Crédito: Agência Brasil)

A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA) está propondo uma mudança no conceito do consumo de alimentos que estejam perto do prazo de vencimento. A ideia da organização é adotar no Brasil um padrão assumido em outros países, que evita o desperdício e repensa a data de validade de alimentos não perecíveis como macarrão, arroz, feijão, milho, café, entre outros.



Em nota, a Abia comentou que o chamado “best before” pode contornar no Brasil os problemas de destinação dos alimentos descartados sem necessidade. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), apontou que 42,5% das perdas de alimentos não perecíveis no varejo brasileiro têm como causa a data de validade vencida.

+ Cesta básica de alimentos custa mais no Norte e Nordeste

Para embasar a proposta, a ABIA ainda usa o Índice de Desperdício de Alimentos 2021, da ONU, apontando que 61% do desperdício de produtos alimentícios no planeta acontece nos lares.

“Sendo assim, a adoção do conceito regulatório ‘best before’ nos parece uma das formas de combater o desperdício de alimentos, evitando que muita comida boa, adequada e segura para o consumo, vá para o lixo, como ocorre hoje”, disse a ABIA em nota.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



Para que a proposta siga adiante, é necessário aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A associação defende um amplo debate antes de a proposta ser regulamentada.

A ideia conta com o apoio do governo. Isso porque em junho deste ano, o ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a anunciar a criação de um grupo de trabalho para analisar a proposta de flexibilização da regra sobre a validade de alimentos no Brasil.

À época, Guedes afirmou que a revisão da legislação pode contribuir para o combate ao desperdício de alimentos, permitindo que a comida não consumida seja usada para alimentar pessoas em situação de fome. A proposta é adotar um modelo que possibilite vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo, prática já realizada em diversos países, entre eles a Dinamarca e a Alemanha.

Entidades como o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) acreditam que a medida fere o Código de Defesa do Consumidor (CDC), uma vez que alterar os parâmetros de determinação da validade e consumo de alimentos pode induzir o consumidor ao erro.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto