Economia

Indicador Antecedente de Emprego da FGV sobe 14 pontos em junho ante maio

Crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Mesmo com o crescimento nas duas últimas leituras, o nível do índice de emprego de junho é o terceiro menor da série histórica (Crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 14 pontos na passagem de maio para abril, para 56,7 pontos, informou nesta terça-feira, 7, a Fundação Getulio Vargas (FGV), mas a alta foi insuficiente para recuperar as perdas recentes, provocadas pela crise da covid-19. A elevação acumulada em maio e junho recuperou apenas 33% das perdas registradas em março e abril.

Em médias móveis trimestrais, o IAEmp recuou 8,6 pontos, para 46,4 pontos, mínimo da série histórica iniciada em 2008, segundo a FGV. Além disso, mesmo com o crescimento nas duas últimas leituras, o nível do IAEmp de junho é o terceiro menor da série histórica.

+ Bolsonaro veta ampliação da desoneração da folha em sanção da MP do emprego
+ Ipea: Emprego deve se recuperar só após retorno da atividade econômica

“A melhora do indicador sugere uma diminuição do pessimismo sobre o mercado de trabalho nos próximos meses, e que o pior momento parece ter ficado para trás. Contudo, a alta incerteza sobre o controle da pandemia e sobre o formato dessa recuperação econômica ainda são fatores que causam preocupação e podem limitar a continuidade do movimento de recuperação dos empregos”, diz a nota divulgada pela FGV.



Por sua vez, o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) caiu 2,2 pontos em junho ante maio, para 97,4 pontos, primeira alta após avançar 7,7 pontos no acumulado de março a maio. Em médias móveis trimestrais, houve aumento de 1,7 pontos para 98,5 pontos.

“Mesmo com o resultado positivo em junho, o indicador se mantém em patamar elevado sugerindo que ainda não é possível imaginar um cenário de melhora na taxa de desemprego no curto prazo”, diz a nota da FGV.

O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto maior o número, pior o resultado. Já o IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, e quanto menor seu patamar, menos satisfatório é o resultado.

O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo dos dois indicadores é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

Em junho, todos os sete componentes do IAEmp subiram em, após chegarem ao fundo do poço em abril e acomodarem em maio, informou a FGV. Os indicadores subiram acima dos 17 pontos, com Emprego Previsto e Situação Atual dos Negócios na Indústria variando 24,2 e 20,7 pontos, na margem, respectivamente.

Já a queda do ICD foi influenciada por todas as quatro classes de renda familiar pesquisadas na Sondagem do Consumidor. A maior contribuição para o resultado foi dada pela classe familiar com renda entre R$ 2.100.00 e R$ 4.800.00 e pela classe até R$ 2.100. nessas faixas, o Emprego Local Atual (invertido) variou positivamente em 3,5 e 2,8 pontos na margem, respectivamente.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel