Economia

Indicador Antecedente de Emprego avança 9,2 pontos em julho ante junho, diz FGV

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 9,2 pontos na passagem de junho para julho, para 65,9 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado foi o terceiro avanço consecutivo, período em que o índice recuperou aproximadamente metade das perdas acumuladas entre fevereiro e abril. Em médias móveis trimestrais, o IAEmp cresceu 8,7 pontos no mês passado.

“A terceira alta consecutiva do IAEmp sugere continuidade no movimento de recuperação do mercado de trabalho. Contudo, apesar das altas significativas, o indicador se mantém em níveis muito baixos em termos históricos, sugerindo cautela das empresas para contratar em função da elevada incerteza e da dificuldade em se vislumbrar uma retomada rápida da economia. Para os próximos meses, a expectativa é de continuidade desse cenário de retomada gradual”, avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) recuou 0,2 ponto em julho ante junho, para 97,2 pontos.

“O resultado de julho mostra o ICD acomodado em patamar elevado. Depois de registrar piora no início da pandemia, o indicador vem recuperando parte do que foi perdido sugerindo ligeira melhora na taxa de desemprego”, completou Rodolpho Tobler.

O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto maior o número, pior o resultado. Já o IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, quanto menor o patamar, menos satisfatório o resultado.

O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

No IAEmp, todos os sete componentes avançaram em julho. O item de Emprego Previsto na Indústria subiu 20,6 pontos, enquanto a Tendência de Negócios da Indústria aumentou 20,3 pontos. Ambos os componentes registraram uma sequência de quatro altas consecutivas, mas permanecem abaixo do patamar pré-pandemia.

No ICD, a maior contribuição para a ligeira queda de julho foi das famílias de maior poder aquisitivo, que recebem acima de R$ 9,6 mil mensais.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?