Giro

Indicada por Trump para a Suprema Corte pode ser oficializada nesta segunda

Indicada por Trump para a Suprema Corte pode ser oficializada nesta segunda

A juíza Amy Coney Barrett poderá ser confirmada na Suprema Corte nesta segunda-feira - AFP/Arquivos

Um Senado americano dividido avançou no processo de indicação pressionado pelo presidente Donald Trump para que Amy Coney Barrett ocupe uma cadeira na Suprema Corte, estabelecendo um limite ao debate até a provável confirmação da juíza na segunda-feira, apenas oito dias antes das eleições americanas.

Em uma sessão incomum de fim de semana, a maioria republicana no Senado superou os democratas em número e varreu um obstáculo no processo de indicação de Barrett, com 51 votos a 48.

O processo de indicação de Barrett, que essencialmente garantiria uma maioria conservadora de 6-3 na Suprema Corte, avançou a uma velocidade incomum.

Trump, que se vê atrás nas pesquisas de intenção de voto contra o candidato democrata Joe Biden, quer que Barrett, 48 anos, seja confirmada antes da eleição de 3 de novembro para estar no cargo caso o tribunal precise abordar qualquer questão relacionada às eleições.

Duas senadoras republicanas, Susan Collins, que encara uma dura reeleição no Maine, e Lisa Murkowski, do Alasca, votaram contra uma continuação do processo, após afirmarem nas últimas semanas que se opunham à confirmação de uma juíza em uma data tão próxima das eleições presidenciais.

No entanto, no sábado, Murkowski disse a colegas que embora se opusesse à pressa dos republicanos para preencher o cargo vago pelo falecimento da juíza Ruth Bader Ginsburg, acabaria votando para confirmar Barrett, já que não havia chance de impedir o processo.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, priorizou o processo de confirmação da Câmara Alta sobre outras questões, incluindo um novo projeto de lei para fornecer alívio financeiro a milhões de americanos e a empresas e autoridades locais duramente atingidas pelo coronavírus.

Os democratas alertam que Barrett, se confirmada na Suprema Corte, votará por desmantelar o Obamacare, que ajudou milhões de americanos a obter seguro de saúde, e poderá derrubar a lei Roe v. Wade de 1973, que protege o direito ao aborto nos Estados Unidos.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?