Economia

Indicada por Biden para Secretaria de Comércio defende supervisionar big techs

Indicada para o cargo de secretária de Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo defendeu nesta terça-feira, 26, a supervisão de práticas anticompetitivas das grandes empresas de tecnologia. Durante uma sabatina no Comitê de Comércio do Senado, a governadora de Rhode Island também afirmou que concorda com a necessidade de aumentar o salário mínimo no país.

“Eu acredito na competição e inovação. E, no que se refere às empresas de mídia social, elas precisam ser responsabilizadas pelo que colocam em sua plataforma”, disse a indicada do presidente Joe Biden ao ser questionada pelos parlamentares sobre o “poder” das big techs.

No mesmo dia em que legisladores democratas apresentaram uma proposta para elevar o salário mínimo de US$ 7,25 a US$ 15 por hora até 2025, Raimondo também apoiou a proposta. Ela ressaltou que promoveu “vários” aumentos do salário mínimo durante seu mandato como governadora. “Não vimos nenhum impacto sobre o desemprego”, frisou.

Durante a sessão, Raimondo também defendeu uma postura “agressiva” contra supostas práticas comerciais “desleais” da China, afirmou que a pandemia de covid-19 exacerbou as desigualdades do país e prometeu tratar o combate à mudança climática como prioridade.



Com a sabatina encerrada, os senadores podem votar se aprovam ou não a nomeação de Gina Raimondo ainda esta semana.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel