Economia

IIF: Brasil tem maior déficit fiscal entre emergentes; emissão de bônus é modesta

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Brasil terá dois desafios: o de recuar nos gastos emergenciais para cumprir a regra fiscal e o financiamento de um grande déficit fiscal (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) afirma que o Brasil respondeu à crise da covid-19 com “uma grande expansão fiscal”, maior do que outros emergentes e comparável a alguns desenvolvidos. Em relatório, o IIF diz que a expansão fiscal é positiva para a recuperação no curto prazo, mas traz dois desafios: o de recuar nos gastos emergenciais para cumprir a regra fiscal; e o financiamento de um grande déficit fiscal no momento em que todos os países têm emitido muitos bônus.

Segundo o IIF, todos os gastos emergenciais do Brasil terão de ser interrompidos e mais cortes devem ser feitos, para se cumprir a regra fiscal em 2021, uma “tarefa difícil” em um quadro de economia fraca e pressão para expandir gastos sociais de modo permanente. “Cortes substanciais seriam necessários para além de 2021”, alerta ainda a entidade, formada pelos 500 maiores bancos do mundo e com sede em Washington (EUA).


+ Mundo deve ter contração de 3,8% do PIB, com piora em China e Índia, diz IIF
+ Choque da covid exacerba risco de situação fiscal ainda frágil no Brasil, diz IIF 

O IIF comenta que a emissão de bônus pelo Brasil foi “moderada”, apesar do déficit fiscal bem mais alto. O governo optou por retirar grandes depósitos do banco central, que por sua vez esterilizou a operação, “na prática colocando mais bônus do governo no mercado por meio de acordos de recompra”, diz o instituto. “O esquema reduz o custo do empréstimo para o setor público, mas também reduz o vencimento médio da dívida pública”, lembra.

O déficit fiscal do Brasil nos primeiros nove meses do ano atingiu 9% do Produto Interno Bruto (PIB) anual, com queda na receita tributária e um orçamento suplementar de emergência. O IIF diz que, quando o governo usa seus depósitos no BC, na prática financia déficits sem emitir dívida, mas reduzindo seus ativos. “A operação, contudo, eleva o dinheiro em circulação e leva o BC a esterilizar por meio de acordos de recompra reversa para manter a postura da política monetária inalterada”, aponta. Essas operações de recompra são feitas geralmente com vencimentos muito curtos.

O IIF considera essas operações como uma assistência do banco central à política fiscal. “Isso não é simplesmente imprimir dinheiro, mas não vem também de um pool de economias de fato do governo”, diz. “Na prática, elas reduzem os custos de empréstimo para o setor público, mas também reduzem o vencimento efetivo da dívida pública.”

Como lembra o IIF, os riscos de rolagem da dívida aumentam conforme os vencimentos ficam mais curtos. O Brasil tem lidado com elevadas necessidades de financiamento público durante anos, evitando estresse no financiamento. O instituto lembra que um quadro de elevado déficit fiscal com vencimentos curtos é “inerentemente arriscado”. A rolagem poderia continuar a ocorrer, “mas possivelmente com taxas de juros mais altas em cenários de estresse”, nota. No processo, efeitos sobre o setor privado também poderiam ser uma questão, diz ainda a entidade.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?