Finanças

Ibovespa vira no fim e cai 0,05%, a 106,3 mil pontos, antes do Copom

Assim como outras classes de ativos brasileiros, o Ibovespa aguardou com expectativa nesta quarta-feira a definição do período da noite do Copom sobre o nível de juros adequado à situação atual, de desancoragem de expectativas inflacionárias ante a perda da referência sobre o teto de gastos em 2022, em meio a revisões contínuas do mercado nas projeções de fatores como câmbio e PIB para o ano eleitoral. Nesta quarta, com impulso proporcionado pela manhã por uma série de balanços positivos, como os de Marfrig (ON +2,68%) e Santander Brasil (Unit -0,03%) – que mais cedo dava suporte ao setor de maior peso no índice (financeiro) -, o Ibovespa conseguiu sustentar recuperação parcial até o meio da tarde, mas perdeu fôlego em direção ao fechamento, em leve baixa de 0,05%, a 106.363,10 pontos, entre mínima de 106.044,68 e máxima de 108.224,47 pontos, saindo de abertura a 106.432,87 na sessão.



O giro financeiro ficou em R$ 32,2 bilhões nesta quarta-feira. Na semana, o Ibovespa avança apenas 0,06%, ainda cedendo 4,16% no mês – em 2021, a perda acumulada está em 10,63%.

“A expectativa maior é para o Copom, obviamente, e é fundamental que o BC traga de volta uma ancoragem nas expectativas, com o mercado muito pessimista com relação à inflação. Deve dar um choque um pouco maior, de no mínimo 1,5 ponto (na Selic), onde estão concentradas as apostas (para esta reunião), mas há casas, talvez de forma exagerada, precificando até mais de 2 (pontos porcentuais de alta, nesta quarta). Deve ficar entre 1,5 e 2”, diz Rodrigo Marcatti, economista e CEO da Veedha Investimentos.

“Em um primeiro momento, o Copom pode até trazer algum alívio, se o mercado entender que o Banco Central está sendo bastante diligente com a questão inflacionária, e não com a atividade – que, de fato, não é parte do seu mandato. E com juros subindo, o câmbio deve se valorizar, atraindo fluxo estrangeiro”, conclui Marcatti, ressalvando as dificuldades para a “economia real” em ciclo de elevação de juros, que afeta também a atratividade da renda variável quando contraposta à fixa. Ainda assim, o impacto pode vir a ser neutro, “quiçá positivo”, considerando os prós e contras de um avanço mais forte da Selic.

Neste contexto ambivalente, de aspectos positivos e negativos para a renda variável, a Pesquisa XP de Sentimento, realizada pela corretora com assessores de investimentos e escritórios autônomos filiados, constatou uma piora das perspectivas para a Bolsa. Entre setembro e outubro, a média dos palpites para o Ibovespa no fim de 2021 caiu 5,4%, de 126.319 pontos para 119.533 pontos.



Entre as 570 respostas únicas obtidas pela XP Investimentos entre os dias 20 e 25 de outubro, 41% avaliaram que o Ibovespa deve ficar entre 120 mil e 130 mil pontos no fim do ano, a previsão mais citada. Em seguida, apareceram as apostas em um nível entre 110 mil e 120 mil pontos (37%); abaixo de 110 mil pontos (13%); entre 130 mil e 140 mil pontos (7%) e acima de 140 mil pontos (3%).

“Hoje houve balanços positivos, como o da Gerdau (PN -2,50% no fechamento), com forte distribuição de dividendos. Enquanto os resultados das empresas mostram uma realidade diferente, a preocupação com o macro, com a política de forma geral, continua a preocupar, trazendo volatilidade”, diz Alexandre Brito, sócio da Finacap Investimentos.

“Aumento de juros maior, como o que está se projetando agora para o Copom, impacta a renda variável, com migração para a renda fixa, especialmente entre os institucionais, mais propensos a isso. É natural um rebalanceamento, na medida em que a renda fixa impacta também a modelagem de valuation das empresas”, acrescenta Brito.

“Os ativos em geral já estão bem precificados porque a gente já vem num cenário de quatro meses de muita volatilidade, de muita incerteza em relação ao fiscal, de piora também na dinâmica geral dos mercados globais. E de antecipação da corrida eleitoral, com um discurso já mais populista, o que coloca a Bolsa aqui em posição mais desvalorizada em relação a outros emergentes, assim como nosso câmbio”, observa Marcatti, da Veedha Investimentos.

Na ponta do Ibovespa nesta quarta-feira, destaque para Cogna (+5,58%), Eztec (+4,99%), Multiplan (+4,57%), Raia Drogasil (+4,17%) e Iguatemi (+4,05%). Na face oposta, PetroRio (-6,63%), Méliuz (-4,55%) e Getnet (-4,41%).


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?

Tópicos

Bovespa