Finanças

Ibovespa sobe 4,02% em meio a incertezas nos EUA

Crédito: AFP

Coronavírus fez com que mais americanos fossem demitidos de seus empregos e milhões deles pediram acesso ao seguro-desemprego (Crédito: AFP)


O Ibovespa, principal índice da B3, manteve ritmo do fechamento anterior e abriu o pregão desta quinta-feira (26) em alta. Às 10h55, as ações da Bolsa apresentavam alta de 4,02%, aos 77.966.

O ritmo acontece em meio a explosão de desempregados nos Estados Unidos na última semana, onde cerca de 3,28 milhões de norte-americanos solicitaram o seguro-desemprego no país. A expectativa do mercado era que esse número ficasse em 1,6 milhão.

+ Após ganhos recentes, bolsas da Ásia fecham em baixa à espera de dado americano
+ Bolsa sobe 7,5%, e dólar cai para R$ 5,03 em dia de trégua
+ Maia repete que pressão para fim de isolamento vem de investidores da bolsa

Na semana do dia 13 de março eram apenas 282 mil pedidos, saltando para a casa dos milhões na semana passada.

Com isso, existe uma expectativa de que o Federal Reserve amplie a receita de estímulos internos para movimentar a economia e segurar a crise que o coronavírus vêm causando na América do Norte, onde mais de 69 mil casos foram confirmados e pouco mais de mil pessoas morreram.

No Brasil, os investidores seguem em atenção com os efeitos do coronavírus no mercado interno, já que boa parte das atividades empresariais estão suspensas ou funcionando parcialmente. O presidente Jair Bolsonaro segue mantendo o discurso de que vai propor uma quarentena “vertical”, priorizando apenas quem estiver no grupo de risco e indo contra medidas adotadas pelos governadores estaduais.

Antigos aliados como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) fizeram críticas duras ao presidente e o colocaram como “irresponsável” na condução da pandemia.