Finanças

Ibovespa cai 2% por temor global com Ômicron

Crédito: Divulgação / B3

A Petrobras foi a principal pressão sobre o índice, enquanto JBS ficou na ponta oposta (Crédito: Divulgação / B3)

SÃO PAULO (Reuters) – O principal índice da bolsa brasileira cedeu forte nesta segunda-feira, acompanhando a queda nos índices acionários globais por temores com os potenciais efeitos da variante Ômicron da Covid-19 na economia.



A Petrobras foi a principal pressão sobre o índice, enquanto JBS ficou na ponta oposta.

O Ibovespa caiu 2,03%, para 105.019,78 pontos, menor patamar de fechamento desde 2 de dezembro. O volume financeiro da sessão foi de 25 bilhões de reais.

A Ômicron voltou a pesar nos mercados. Países da Europa anunciaram restrições ou disseram avaliar possíveis medidas para conter o avanço da variante no continente.

+ Dólar vai a R$ 5,74 com investidor buscando proteção por exterior e fiscal

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que está analisando todo todas opções para manter a Ômicron sob controle e alertou que restrições adicionais podem ser necessárias. Na Holanda já foram impostas medidas para prevenir o sistema de saúde de ficar sobrecarregado.

Além disso, pesou na confiança dos mercados uma perspectiva de crescimento econômico menor do que o esperado nos Estados Unidos, após o pacote de investimento doméstico do presidente norte-americano Joe Biden, orçado em 1,75 trilhão de dólares, sofrer um contratempo. Joe Manchin, um democrata moderado considerado importante para a aprovação do texto, disse no domingo que não irá apoiar o projeto.

Os três principais índices de ações norte-americanos fecharam em queda superior a 1%, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 caiu 1,38%, seu nível mais baixo em duas semanas.

Eduardo Levy, gestor na Kilima Asset, disse que a volatilidade nos mercados locais deve continuar nos próximos dias, por conta de menor liquidez. Segundo Levy, essa volatilidade deve cair após a virada do ano, quando a bolsa, para ele, tende a ter uma recuperação.

No Brasil, a votação do relatório final do Orçamento de 2022 foi adiada e o boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central, mostrou que o mercado reduziu a projeção para inflação de 2021 ligeiramente. Para o próximo ano, houve leve alta.

DESTAQUES

– CVC ON afundou 8,8%, com a Ômicron pesando sobre as ações do setor aéreo e de turismo. Além disso, a companhia afirmou ter sido surpreendida com o anúncio do Grupo Itapemirim da suspensão das operações da companhia aérea Ita.

– AZUL PN caiu 3,6%, GOL PN cedeu 4,2% e EMBRAER ON recuou 2,4%.

– CSN ON desabou 6,9%, USIMINAS PN afundou 5,6%, GERDAU PN caiu 5,9% e METALÚRGICA GERDAU PN recuou 5,5%, mesmo após contratos futuros de minério de ferro de Dalian e Cingapura subirem pela terceira sessão consecutiva. No radar do setor, também está a pior perspectiva para o andamento do pacote de investimento do presidente norte-americano Joe Biden, o que pode afetar demanda por aço. VALE ON caiu 1,1%.

– PETROBRAS PN e ON caíram 2,9% e 1,9%, respectivamente, enquanto PETRORIO ON desabou 5,9%, diante de tombo de 2,7% nos preços do petróleo Brent por conta de temores com a nova variante.

– LOCAWEB ON desabou 7,1% e BR MALLS ON afundou 6,7%.

– ENEVA ON avançou 1,3% e foi um dos poucos papéis do Ibovespa que fechou no positivo.

– JBS ON avançou 1,4% e MINERVA ON subiu 1,2%, em continuação da recuperação de ações de frigoríficos após China retomar importação de carne bovina brasileira e em meio à alta do dólar ante o real, o que favorece exportadoras.

– ALLIAR ON, que não está no Ibovespa, virou para alta e fechou em +1,8%, após O Globo noticiar que o empresário Nelson Tanure confirmará na terça-feira ao grupo de controle da empresa a proposta feita por um fundo vinculado ao investidor pelo controle da companhia.