Negócios

Ibovespa acompanha alta firme em NY antes de Fed, apesar de IPCA-15 acima do esperado

Ibovespa acompanha alta firme em NY antes de Fed, apesar de IPCA-15 acima do esperado

Bolsa de valores em São Paulo

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) – O principal índice da bolsa brasileira subia nesta quarta-feira, diante da disparada das ações nos Estados Unidos, com expectativa pelo tom a ser adotado pelo Federal Reserve (Fed) em sua decisão de política monetária mais tarde.



No Brasil, o mercado digere os dados do índice de preços IPCA-15, visto como uma prévia da inflação brasileira, que subiu 0,58% em janeiro ante dezembro, segundo o IBGE, acima da expectativa em pesquisa da Reuters com economistas de avanço de 0,43%.

Os papéis de empresas exportadoras de commodities davam impulso ao índice local de ações, enquanto as ações de Bradesco e Itaú Unibanco eram as principais pressões negativas.

Às 11:38, o Ibovespa subia 1,53%, a 111.889,35 pontos. O volume financeiro era de 8,3 bilhões de reais.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


As atenções dos mercados globais estão voltadas para a decisão do Fed, o banco central norte-americano, nesta quarta-feira, às 16 horas (horário de Brasília). A expectativa é que a instituição sinalize no comunicado planos de elevar a taxa de juros do país em março, em meio à alta da inflação no país.

O presidente do Fed, Jerome Powell, dará entrevista à imprensa meia hora depois da divulgação do comunicado.


Em compasso de espera, os principais índices de ações norte-americanos subiam firme, após queda das bolsas em Wall Street na véspera e desempenho negativo nas últimas semanas.

O otimismo no exterior ajudava a alavancar o Ibovespa, que caminhava para sua segunda alta consecutiva, estendendo ganhos da véspera e de 2022. Analistas vêm mencionando a entrada de fluxo estrangeiro como uma das principais influências positivas ao índice local recentemente.

A alta desta quarta-feira ocorre apesar de o IPCA-15 ter vindo acima do esperado pelo mercado, enquanto por outro lado, o índice de preços avançou ao nível mais baixo desde maio do ano passado e desacelerou frente à alta de 0,78% em dezembro.

Além disso, o Banco Central divulgou mais cedo que o Brasil teve déficit em transações correntes de 5,891 bilhões de dólares em dezembro, melhor que o déficit de 6,5 bilhões de dólares esperado por analistas.

DESTAQUES

– PETZ ON disparava 8,3%, após anunciar aquisição da empresa de tapetes higiênicos Petix, em transação que pode alcançar 70 milhões de reais.

– VALE ON subia 1,9% e GERDAU PN avançava 2%, após o minério de ferro ganhar mais de 3% na China, sustentado por preocupações com a oferta.

– PETROBRAS PN e ON subiam 2,7% e 2%, respectivamente, com ambos os papéis alcançando a quinta alta consecutiva. Petróleo avançava em meio à oferta apertada e tensões geopolíticas.

– MÉLIUZ ON subia 5,1%, LOCAWEB ON avançava 3,1% e TOTVS ON ganhava 4,9%.

– BANCO DO BRASIL ON tinha queda de 1,1%, ITAÚ UNIBANCO PN caía 1% e BRADESCO PN cedia 0,7%, enquanto SANTANDER BRASIL UNIT recuava 0,4%.

– SUZANO ON caía 0,7%, sexta queda consecutiva.

– CYRELA ON avançava 3,7%, MRV ON ganhava 3,5%, JHSF ON subia 3,4% e EZTEC ON tinha alta de 2,7%.

– NATURA ON avançava 5%, enquanto MAGAZINE LUIZA ON subia 3,3%.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0P0QG-BASEIMAGE