Economia

IAG registra prejuízo de € 6,9 bilhões em 2020 pela pandemia

IAG registra prejuízo de € 6,9 bilhões em 2020 pela pandemia

Aviões da British Airways parados no Terminal 5 do aeroporto de Heathrow, Londres, em 16 de março de 2020 - AFP/Arquivos

O International Airlines Group (IAG), proprietário da Iberia e da British Airways, entre outras companhias aéreas, informou nesta sexta-feira que registro um prejuízo de 6,9 bilhões de euros (8,4 bilhões de dólares) em 2020 devido à crise do setor provocada pela pandemia de coronavírus.

As grandes perdas contrastam com o lucro de 1,7 bilhão de euros (quase 2 bilhões de dólares) em 2019, indicou o IAG, ao explicar que o desempenho refletiu “o grave impacto que a covid-19 teve em nosso negócio”.

As perdas incluem gastos excepcionais vinculados a “posições de cobertura de preços do petróleo e taxas cambiais” que não foram os esperados no ano passado, levando em consideração a queda inesperada do combustível, a retirada da frota de velhas aeronaves e gastos de reestruturação, afirma um comunicado.

Com as restrições de voos domésticos e internacionais, o IAG teve que reduzir no ano passado sua capacidade de passageiros em 33% na comparação com 2019. A empresa prevê uma capacidade de apenas 20% no primeiro trimestre de 2021, sempre em comparação com 2019.

“Adotamos medidas para preservar nossa liquidez e reduzir nossos custos”, afirmou o diretor geral do grupo, Luis Gallego.

O IAG anunciou cortes no quadro de funcionários no ano passado para reduzir custos, apesar do sistema de desemprego técnico do governo que compensa os salários em até 80%, até 2.500 libras esterlinas.

“As medidas de reestruturação foram traduzidas no corte de 10.000 postos de trabalho na British Airways – 25% dos funcionários – e 500 na Aer Lingus, que em sua maioria deixaram o grupo até dezembro”, afirma o grupo em um comunicado.

Também nesta sexta-feira, a companhia aérea de baixo custo Norwegian Air Shuttle informou que registrou prejuízo de € 2,2 bilhões (US$ 2,65 bilhões) devido à pandemia covid-19 e uma forte depreciação de ativos.

A Norwegian Air, atualmente sob a proteção das leis de falência irlandesa e norueguesa, era a terceira companhia de baixo custo europeia antes da crise provocada pela pandemia.

De uma frota “pré-covid” de 140 aviões, apenas seis aeronaves continuaram voando nos últimos meses. A empresa reduziu o quadro de funcionário de mais de 10.000 para 600 pessoas.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel