Humanização por aplicativo

Humanização por aplicativo

Gestores e profissionais envolvidos com a humanização no meio corporativo devem ampliar suas perspectivas e ir em busca de fontes que não se limitam ao repertório técnico e científico

Já se tornou lugar-comum falar das grandes transformações que estão ocorrendo ou ainda irão ocorrer na dinâmica do trabalho em função da pandemia do novo coronavírus. Algumas já são claramente observáveis; outras, intuídas, e muitas dependerão da capacidade e alcance de visão dos gestores. Neste contexto, a temática da humanização, que já vinha sendo colocada com crescente insistência no ambiente empresarial, ganhou uma força extraordinária nesses tempos de Covid-19. Independentemente das novas condições no pós-pandemia, na mesma medida em que as novas tecnologias assumem um papel preponderante, o desafio da humanização torna-se inevitável.

Não é preciso ser nenhum especialista em saúde para perceber que a intensificação do trabalho remoto está agravando uma série de distúrbios e patologias recorrentes no ambiente corporativo desde algum tempo. Mais do que nunca, humanizar é preciso. Entretanto, como fazê-lo numa era dominada pelas novas tecnologias digitais?

Antes de tudo, é preciso ter o senso crítico suficientemente desenvolvido para não cair na tentação de demonizar as novas tecnologias, vendo-as como “culpadas” pela desumanização no meio corporativo e na sociedade. Por outro lado, entretanto, um senso crítico ainda mais aguçado é necessário para não se cair na ingenuidade de acreditar que a propalada humanização pode ser alcançada por meio dessa mesma tecnologia, como se fosse possível, por exemplo, “aplicativos de humanização” baseados em inteligência artificial. Isso, mais do que um contrassenso, é um verdadeiro equívoco antropológico.

A humanização está relacionada com a experiência humana no seu sentido mais amplo, e isso vai muito além da dimensão lógico-racional ou técnico-comportamental. Concebida para operar numa lógica algorítmica, a tecnologia digital, por si só, é incapaz de mobilizar dimensões essenciais do humano que escapam ao âmbito do binário, do zero ou um. Nesse sentido, propostas de humanização que se limitam ao desenvolvimento e à aplicação de novos recursos tecnológicos, por mais que possam parecer atrativas num primeiro momento, estão inevitavelmente fadadas ao fracasso.



Nesses tempos em que a humanização desponta como um dos temas mais recorrentes no universo da gestão de pessoas e dos recursos humanos, é preciso, com urgência, questionar os referenciais teóricos e metodológicos que norteiam as novas propostas ou “programas”. Se não quiserem cair na armadilha do equívoco antropológico, os gestores e profissionais envolvidos com a humanização no meio corporativo devem ampliar suas perspectivas e ir em busca de fontes que não se limitam ao repertório técnico e científico.

Aplicativos podem ser muito úteis e funcionais. Mas quando se trata de humanizar esse ser tão disfuncional e insuficiente que é o humano, eles são claramente ineficazes.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Doutor em História pela USP, Dante Gallian é professor da EPM-Unifesp, coordenador do Laboratório de Leitura e colaborador da Responsabilidade Humanística. Publicou o livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret)


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.