Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores

Huawei abre centro de transparência

Huawei abre centro de transparência

A chinesa Huawei, líder mundial em serviços e produtos de telecomunicações e vice-líder em smartphones, acaba de abrir um centro de transparência de segurança cibernética, em Bruxelas, numa tentativa de neutralizar suspeitas nos mercados ocidentais de que seus equipamentos de rede poderiam ser usados ​​para espionagem pelo governo chinês, acusação feita pelo governo dos Estados Unidos. A empresa afirmou que o centro servirá para demonstrar as soluções de segurança que desenvolveu em áreas como 5G, IoT e cloud. Em comunicado, a companhia diz que “tanto a confiança quanto a desconfiança devem ser baseadas em fatos, não em rumores”.

(Nota publicada na Edição 1111 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Facebook muda o foco

Em cinco dias, o post de Mark Zuckerberg sobre a mudança estratégica do Facebook para uma plataforma baseada em privacidade já teve 39 [...]

O que vem por aí em 2050

A Aerospace Industries Association (AIA, associação de empresas aeroespaciais) lançou um relatório intitulado What’s Next for Aerospace and Defense: A Vision for 2050, em parceria com a McKinsey. Foram entrevistados 70 líderes da indústria aeroespacial, entre cientistas e especialistas, para criar um painel de quatro eixos sobre como será o segmento daqui a 30 anos. […]

Frase da semana

“Não podemos culpar a tecnologia quando cometemos erros” Tim Berners-Lee, criador da WWW (Nota publicada na Edição 1112 da Revista Dinheiro)

Inteligência Artificial na sala de aula

Alef Education, uma empresa nascida nos Emirados Árabes Unidos há apenas quatro anos e que atua em 57 escolas públicas locais, [...]

Israel deve regular criptomoedas

A ISA Securities Authority (Autoridade de Valores Mobiliários de Israel) deve lançar uma plataforma de emissão de criptomoedas [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.