Agronegócio

HSBC demonstra preocupação com JBS em relação ao desmatamento

Crédito: Divulgação

A JBS entrou no radar dos investidores após a Marfrig se comprometer a rastrear toda a cadeia de criação de gado, ponto que a JBS estaria deixando de lado, segundo o HSBC (Crédito: Divulgação)

A JBS está na mira dos investidores devido a uma crescente preocupação em torno dos desmatamentos na Amazônia e o envolvimento da companhia na questão. Agora, analistas do HSBC incluíram a maior empresa de carnes do mundo na lista vermelha das recomendações.

Segundo o jornal The Guardian, esses analistas estão afirmando que a JBS “não tem visão, plano de ação, cronograma, tecnologia ou solução” para acompanhar se as cabeças de gado da empresa foram criadas em fazendas envolvidas na destruição da floresta amazônica.

+ Fundo sueco para de investir na JBS por questões ambientais
+ Plumrose, subsidiária da JBS USA, pretende construir nova fábrica por US$ 200 mi
+ JBS é acusada de ‘lavagem de gado’ vinculado ao desmatamento

Esse relatório do HSBC apontou que o banco quis mais detalhes da companhia sobre seu plano de combate ao desmatamento, mas as respostas não teriam sido satisfatórias.

Isso aconteceu após a Marfrig, considerada uma concorrente menor, se comprometer a rastrear todo o seu gado, da criação à produção de carne, até 2025.

“Nunca vimos um grande líder da indústria deixar um assunto tão sério para um participante menor do setor”, disse o relatório. Os analistas acreditam que esse tipo de posicionamento “fala da seriedade de propósito em questões ESG [governança ambiental, social e corporativa] para uma empresa que, a nosso ver, tem algo a provar”.

Ter o título de empresa que se preocupa com o desmatamento, observa o HSBC, é algo que tende a valorizar ainda mais a companhia no mercado internacional. O banco possui ações e títulos da JBS no valor de cerca de US$ 9 milhões, de acordo com uma pesquisa recente da ONG Feedback.

Ainda assim, a instituição financeira recomendou a compra das ações da companhia. “Gostamos da JBS por sua história de redução de dívidas, portfólio diversificado de proteínas, pegada geográfica, liderança no setor e escala. Sua listagem proposta [em Nova York] provavelmente melhoraria a governança, se feita corretamente, reduziria o custo de capital e posicionaria estrategicamente a empresa para novas oportunidades de crescimento.”

A JBS preferiu não comentar a reportagem ao Guardian.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?