Horas de requinte

Horas de requinte

Hoje em dia, ninguém precisa mais de relógio para ver as horas. Os celulares cumprem muito bem essa função. Mas ter um acessório lindo e elegante no pulso não tem preço. Na verdade, até tem. Nesse caso, US$ 29,5 mil (cerca de R$ 125 mil). Esse é o valor do modelo Millenary, da grife de relógios Audemars Piguet. Com quase 150 anos de tradição, o fabricante suíço acaba de lançar sua nova coleção e terá uma estrela do esporte mundial a seu lado na divulgação. Considerada uma das maiores tenistas de todos os tempos, a americana Serena Williams é garota-propaganda da marca e costuma entrar em quadra com um Audemars Piguet no pulso esquerdo. É pouco provável, porém, que o novo modelo seja usado por ela durante alguma partida. É que a peça é sofisticada demais para a prática de esportes. Seu mostrador não tem nada além dos ponteiros – de ouro branco –, exatamente como eram os primeiros relógios produzidos pela marca. Tradição e sofisticação na mesma peça.

(Nota publicada na edição 1159 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Viagem (milionária) ao fundo do mar

O mundo submarino é lindo e fascinante. O genial escritor francês Julio Verne sabia bem disso, quando criou o clássico 20 mil Léguas [...]

Eternamente clássico

A Cutler and Gross não precisou de muito tempo para se firmar como uma das grifes de óculos de luxo mais reconhecidas do mercado [...]

Elegância aos seus pés

No mundo dos sapatos masculinos, poucas marcas têm tanto prestígio e respeito quanto a Berluti. Afinal, são exatos 125 anos de [...]

Chanel em dose tripla

Que mulher não ganha um brilho nos olhos diante de qualquer peça Coco Chanel? E se, em vez de uma, forem três peças? É o que propõe a [...]

Mixologia por delivery

A quarentena que mantém bares fechados em todo o mundo está levando muita gente a se arriscar na coquetelaria para preparar, em casa, [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.