Hora de mudar o rumo

Hora de mudar o rumo

O Brasil está metido em uma encalacrada econômica não é de hoje. Foram anos de recessão renitente sob o tacape de Dilma Rousseff, de uma lenta retomada no período de intervalo do substituto Temer e de regressão perigosa na nova era Bolsonaro. O País tem perdido oportunidades sucessivas e excelentes para sair do atoleiro – mesmo quando o ambiente externo esteve favorável nesse sentido. Desprezou a pauta de reformas lá atrás, deixou a crise crescer quando podia tê-la evitado com políticas monetárias de incentivo e ainda comprometeu boa parte de seu parque produtivo devido à instabilidade de regras praticadas e a carga tributária sufocante. Fabricas fecharam.

Multinacionais desistiram de subsidiárias ou de novas plantas. E o fôlego escasseou. Há uma questão que insiste em martelar a cabeça de boa parte dos empreendedores, verdadeiros heróis da resistência: por que cargas d’água o Brasil não parte para uma fase de maior liberdade econômica e desapego da máquina estatal? O projeto de encolhimento do Estado, restringindo suas ações a políticas públicas, sem o aparato tentacular no mundo empresarial, interessa a todos. Não pode ser o governo um empregador de milhões de servidores com benesses sem fim, aposentadorias privilegiadas e outros penduricalhos que custam mais do que qualquer estrutura na iniciativa privada.

O desemprego é hoje uma chaga, com 13,4 milhões de pessoas nessa situação e mais de 50 milhões sem qualquer tipo de renda para garantir um mínimo de sustento. A miséria aumenta enquanto a roda da produção para e o Estado concentrador segue com seu custoso funcionamento. É passado o momento de reorganizar a economia nacional em novas bases. As bandeiras de reformas da Previdência e tributária aliadas a um forte processo de privatização precisam de um engajamento do Executivo, Legislativo e Judiciário para saírem do papel e ganharem vida. Não são mais aceitáveis as pressões e lobbies laterais de grupos específicos que anseiam manter o status quo da gastança. Sai do bolso de todos e com prejuízos já conhecidos.

Uma ação direta, efetiva e urgente se faz necessária especialmente no âmbito da indústria, que está morrendo a olhos vistos. Na ausência de políticas públicas de incremento a essa atividade o parque vem perdendo produtividade e competitividade. O custo da inovação e da qualificação profissional não é mais suportável no atual estágio de estagnação do mercado. Em um esforço de guerra, as autoridades precisam oferecer respostas para reabilitar resultados do setor. Do contrário, a resposta será a debandada de mais e mais empresas, ou fechando as portas ou saindo em busca de praças com perspectivas mais alvissareiras, em um ciclo perverso sem fim.

(Nota publicada na Edição 1127 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desigualdade inaceitável

Não é apenas um problema econômico. Mas social e político, por que não? Como o Brasil pôde cair tão baixo no índice de Desenvolvimento [...]

Ao vosso reino, nada!

Há de se perguntar aonde essa relação do Brasil com os EUA vai chegar. A indagação procede. Ainda mais no momento em que o presidente [...]

O mau sinal do câmbio

O dólar nas alturas sinaliza o descrédito do Brasil junto aos investidores externos. O receio no meio dessa turma é crescente. Algumas [...]

Pé no freio com as reformas

Dois pilares de transformação da economia vêm sofrendo desgastes na sua estrutura. As prometidas reformas administrativa e tributária [...]

Pacote aumenta desemprego

Ao menos no que tange à ideia de incentivo à geração de empregos, o novo pacote anunciado na semana passada com pompa por Bolsonaro e o [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.