Giro

Herdeiros da Gucci dizem que “Casa Gucci” retrata família como “bandidos”

Crédito: REUTERS/Henry Nicholls

Estreia do Filme "Casa Gucci" em Londres (Crédito: REUTERS/Henry Nicholls)

FLORENÇA, Itália (Reuters) – Os herdeiros de Aldo Gucci, o homem que transformou a marca de Florença em um fenômeno global do mundo da moda, não estão felizes com a forma como sua família é retratada no filme “Casa Gucci”, de Ridley Scott, estrelado por Lady Gaga, Adam Driver e Al Pacino.



O filme, que estreou na semana passada em cinemas de todo o mundo, gira em torno do assassinato do herdeiro Maurizio Gucci, que foi baleado em 1995 no saguão de seu elegante escritório em Milão por um assassino contratado por sua ex-esposa, Patrizia Reggiani.

+Mansão do filme ‘Casa Gucci’ com Gaga está à venda por R$ 6,2 mi na Itália

Jeremy Irons, que interpreta o patriarca Rodolfo Gucci, disse em uma entrevista à Reuters neste mês que a história era irresistível, chamando-a de “ousada, atrevida e extravagante, italiana”.

Os descendentes de Aldo Gucci, filho do fundador da empresa Guccio Gucci, expressaram desacordo.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



“Apesar da afirmação de que a obra busca contar a ‘história real’ da família… o filme transmite uma narrativa que é tudo menos precisa”, afirmaram em nota.

“A produção do filme não se preocupou em consultar os herdeiros antes de descrever Aldo Gucci –presidente da empresa por 30 anos– e os membros da família Gucci como bandidos, ignorantes e insensíveis ao mundo ao seu redor.”

“Isso é extremamente doloroso do ponto de vista humano e um insulto ao legado sobre o qual a marca é construída hoje.”

A família questionou especialmente o que eles disseram ser a representação no filme de Reggiani, interpretada por Lady Gaga, “como uma vítima que tenta sobreviver em uma cultura corporativa masculina e machista”.

“Isso não poderia estar mais longe da verdade. Nos 70 anos de história em que a Gucci foi uma empresa familiar, ela sempre foi inclusiva. Na verdade, justamente nos anos de 1980 –contexto histórico em que o filme se passa– havia várias mulheres em posições de liderança, e não apenas membros da família.”

A família, que já não tem qualquer relação com a marca Gucci, que agora pertence à gigante francesa de luxo Kering, disse que se reserva o direito “de tomar todas as medidas necessárias para proteger o nome, a imagem e a dignidade de si e dos seus entes queridos”.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHAT0Z7-BASEIMAGE


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto