Política

Heleno diz que quebrou quarentena no Planalto por engano de médicos

Diagnosticado com o novo coronavírus, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, admitiu, em nota, que quebrou a quarentena antes da hora por um “engano”. Uma semana após receber o resultado do teste para a covid-19, Heleno participou de uma reunião no Palácio do Planalto com o presidente Jair Bolsonaro, o vice, Hamilton Mourão, e metade dos ministros da Esplanada.

Em nota, Heleno disse que, após participar do encontro, na última quarta-feira, 25, por um período de três horas, foi alertado de que houve um engano e que ele deveria permanecer mais sete dias em isolamento na sua residência. Em fotos divulgadas pelo Planalto é possível ver que Heleno estava sem proteção e sentou ombro a ombro com colegas de ministério.

“O General Heleno, depois de sete dias de afastamento total, foi autorizado, por dois médicos, a comparecer ao Planalto, para uma reunião ministerial. Dirigiu-se ao Palácio, sozinho, conduzindo seu próprio carro, e participou, por três horas, da reunião”, diz a nota divulgada pela Secretaria Especial de Comunicação da Presidência (Secom) neste sábado.

“Alertado, pelo Serviço de Saúde, de que houve um engano e que deveria permanecer mais sete dias em isolamento, retornou a sua residência, e, de lá, não mais saiu. Permanece, desde então, em regime de home office”, afirma o texto.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel