Giro

Heleno diz que Bolsonaro não tinha intenção de dar golpe e tenta amenizar críticas

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general da reserva Augusto Heleno (Crédito: REUTERS/Adriano Machado)

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general da reserva Augusto Heleno, afirmou nesta sexta-feira que nunca houve intenção do presidente Jair Bolsonaro de dar um golpe de Estado, e tentou rebater críticas à nota divulgada na véspera pelo chefe do Executivo.



Guedes admite que crise de Bolsonaro pode prejudicar economia

Em um pronunciamento em vídeo divulgado em redes sociais, Heleno pediu aos apoiadores do governo que não percam o ânimo, afirmando que a esquerda pode voltar ao poder.

“Não podemos desistir do Brasil. Alguns fatos deixaram muitos de nós desanimados. Isso não pode acontecer. A esquerda, apesar de sua passagem desastrosa pelo poder, segue unida e querendo voltar”, disse o ministro.

“Ela sofreu também um duro revés, porque descobriu que o presidente Bolsonaro não tinha qualquer intenção de dar o golpe. Nosso presidente possui um formidável senso político”, acrescentou.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



De acordo com o ministro, o presidente “quer um país que preserve as liberdades individuais, as instituições nacionais, a independência e a harmonia dos Poderes, a paz e a democracia”.

Nos protestos de 7 de Setembro convocados por Bolsonaro, o presidente da República fez ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e às eleições de 2022, afirmou que não mais acataria decisões do ministro do STF Alexandre de Moraes e garantiu que só sairá do cargo preso ou morto.

Os discursos geraram forte repercussão, inclusive no mercado, e o presidente do STF, Luiz Fux, alertou que o descumprimento de decisões judiciais implica em crime de responsabilidade.

Diante do impacto negativo, Bolsonaro divulgou nota na quinta-feira, em que procurou algum tipo de apaziguamento afirmando respeitar as instituições e defendendo a abertura ao diálogo.

A declaração teve impacto negativo entre os apoiadores mais aguerridos do presidente nas redes sociais, o que levou o próprio presidente a justificá-la, dizendo que não via “nada de mais”.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, também rebateu as críticas de aliados à nota, avaliada por ele como uma iniciativa de Bolsonaro para distensionar o clima.

“O presidente Bolsonaro teve a grandeza moral de entender –e colocou por escrito– que ele usou palavras fortes, que ele foi tomado ali pela emoção do momento, o calor da disputa, vamos falar assim, e fez o seu mea culpa”, disse Mourão a jornalistas.

“Tenho entendido que ele teve uma conversa preliminar com o ministro Alexandre de Moraes, e consequentemente eu vejo um caminho aberto para que se retome o diálogo entre os dois Poderes, né, um diálogo respeitoso. Cada um atuando na sua esfera de atuação e consequentemente diminuindo a tensão no país e fazendo com que as pessoas retomem o seu dia a dia normal e deixem de abrir os jornais ou assistir à televisão todo dia esperando qual é a briga de hoje.”

 

 

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH89116-BASEIMAGE