Giro

Haiti prepara funeral de seu presidente assassinado

Haiti prepara funeral de seu presidente assassinado

Una fotografía del presidente asesinado Jovenel Moise en una ceremonia en su honor en Puerto Príncipe - AFP

Sob rígidas medidas de segurança, o Haiti prepara o funeral do presidente assassinado Jovenel Moise, 15 dias após um crime que mergulhou o país ainda mais na incerteza e reacendeu tensões históricas.

O chefe de Estado, morto a tiros aos 53 anos por um comando armado, será sepultado na sexta-feira (23) em Cap-Haitien, capital do Departamento do Norte, vizinho de sua região natal.

A segunda maior cidade do Haiti acordou calma nesta quinta-feira, diferente do dia anterior, quando confrontos foram registrados em razão da presença do diretor-geral da Polícia Nacional, Léon Charles.

O oficial foi vaiado ao inspecionar os dispositivos de segurança instalados para o funeral. Ele não participou nesta quinta de manhã de uma missa realizada na catedral.



Os haitianos o censuram por não ter conseguido proteger o presidente Moise, cujo assassinato foi perpetrado no meio da noite sob a aparente passividade dos agentes encarregados da guarda de sua casa.

O Haiti é atormentado pela insegurança e pelas gangues, um flagelo que foi agravado durante a presidência de Moise.

Sua morte reacendeu tensões históricas entre o norte do Haiti e o oeste, onde fica a capital, Porto Príncipe. Entre outros fatores, existe um antigo antagonismo entre os negros descendentes de escravos do norte e os mestiços, também chamados mulatos, do sul e do oeste.

Os moradores do norte lembram que Moise é o quinto chefe de Estado daquela região a ser assassinado no oeste, depois de Jean-Jacques Dessalines, Cincinnatus Leconte, Vilbrun Guillaume Sam e Sylvain Salnave.

“Isso diz muito para o povo do norte. Não é por acaso. Para mim, o assassinato do presidente é o assassinato do Haiti, de todos os negros como eu, de todos os filhos dos conterrâneos, de todos os esquecidos. Esta é uma luta de classes”, disse o prefeito de Cap-Haitien, Yvrose Pierre.

A catedral de Nossa Senhora da Assunção em Cap-Haitien realizou uma missa nesta quinta-feira, enquanto em Porto Príncipe várias cerimônias em homenagem ao presidente assassinado foram realizadas durante a semana.

Uma delas contou com a presença de Ariel Henry, o novo primeiro-ministro, que assumiu na terça-feira prometendo restaurar a ordem para organizar as eleições exigidas pela população e pela comunidade internacional.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago