Giro

Haiti enfrenta nova crise após sequestro de americanos

O frágil governo do Haiti enfrentava uma nova crise neste domingo, após o sequestro, na véspera, de um grupo de missionários e suas famílias, a maioria americanos, por uma quadrilha armada perto de Porto Príncipe.



Houve pouca reação oficial no Haiti e a polícia local não respondeu ao contato feito pela AFP.

O grupo de 15 a 17 pessoas, entre elas crianças e, segundo testemunhas, um canadense, foi sequestrado quando voltava de uma visita a um orfanato, informou uma fonte da segurança do país. Um número desconhecido de haitianos também foi sequestrado.

“Pedimos a libertação dessas pessoas, sejam elas cidadãos americanos ou de outras nacionalidades”, disse Gedeon Jean, diretor do Centro de Análise e Pesquisa em Direitos Humanos, com sede na capital, assinalando que a situação atual é “prejudicial à dignidade humana”.

O orfanato fica a cerca de 30 quilômetros de Porto Príncipe, segundo uma fonte da segurança haitiana. Alguns membros da organização missionária, com base em Ohio, faziam sua primeira viagem ao Haiti, acrescentou.



Os missionários foram levados pelo grupo criminoso 400 Mawozo, que há meses realiza sequestros e roubos na zona localizada entre Porto Príncipe e a fronteira com a República Dominicana, assinalou a fonte.

O Departamento de Estado americano não deu detalhes sobre o sequestro. “O bem-estar e a segurança dos cidadãos americanos no exterior é uma das nossas principais prioridades no departamento. Sabemos dessa informação e não temos nada a acrescentar no momento”, comentou um porta-voz.

– Aumento dos sequestros –

A quadrilha sequestrou vários veículos, incluindo ônibus cheios, nas estradas que controla, afetando tanto cidadãos do país quanto estrangeiros, que são capturados para o pagamento de resgates, muitas vezes de somas que superam a renda anual de um haitiano.

“A polícia se mostrou incapaz de enfrentar os grupos criminosos, que se organizam melhor e controlam um território cada vez maior” em torno da capital e nas cidades do interior, disse Gedeon Jean, cuja organização registrou um aumento alarmante dos sequestros no Haiti: foram mais de 600 nos primeiros três meses de 2021, um aumento de 231 em relação ao mesmo período de 2020.

Grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que a grande maioria das mulheres sequestradas são estupradas.

Em abril, 10 pessoas – incluindo dois religiosos franceses – foram sequestradas pelo grupo 400 Mawozo na mesma região. Libertado após 20 dias de cativeiro, o padre Michel Briand disse então à AFP que seu grupo estava “no lugar errado, no momento errado”.

– Crise e insegurança –

Uma crise política profunda paralisa há anos o desenvolvimento do Haiti. O assassinato em 7 de julho do presidente Jovenel Moïse por um comando armado em sua residência mergulhou ainda mais o país caribenho na incerteza.

Segundo Gedeon Jean, a ausência de um Estado forte deixa um vazio que os grupos criminosos tentam preencher, ampliando seu controle de alguns dos distritos mais pobres da capital para as áreas vizinhas.

Antes mesmo dos sequestros de ontem, grupos empresariais e profissionais em Porto Príncipe haviam convocado para amanhã uma greve por tempo indefinido, a fim de protestar contra o clima de insegurança generalizado.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?