Economia

‘Há um descompasso entre produção e oferta’, diz Renata de Mello Franco

A escassez de insumos e o aumento de preços é resultado do descompasso entre oferta e demanda no pós isolamento social somado à desvalorização cambial e à alta das commodities no mercado externo, avalia a economista Renata de Mello Franco, da FGV/Ibre. Para ela, o repasse de custos ao consumidor não será integral pois a economia brasileira, embora em recuperação, “ainda está muito deprimida”.

Por que falta matéria-prima?

A crise do coronavírus foi diferente das anteriores, por causa da necessidade de fechamento das fábricas. A reabertura ocorre em etapas e, com isso, há um descompasso entre produção e oferta. Até porque a oferta não diminuiu tanto assim, principalmente em alimentos e bens intermediários.

A retomada foi mais rápida do que a indústria previa?

Sim. Há muitas indústrias que estão com estoques baixos. Mas é bom lembrar que a recuperação está sendo desigual. Há setores que já recuperaram perdas da pandemia e outros com dificuldades em voltar, como o de veículos automotores. Os que estão melhor demandam insumos e isso pressiona toda uma cadeia. Por exemplo, para fornecer para a indústria de alimentos, a indústria de embalagem demanda a indústria química por plástico. Quando falta algum produto no elo, há descompasso na cadeia produtiva de vários segmentos.

A alta de preços dos insumos é resultado desse descompasso?

Certamente tem a ver com isso, mas nossa indústria de produtos intermediários é bastante integrada com o mercado externo, tem importação e exportação. Quando se tem o dólar desvalorizado aumenta o custo das importações e isso encarece os custos de quem importa e de quem utiliza o bem em produtos finais. Além disso, a exportação fica atraente. Também tem de levar em conta que os preços das commodities no mercado externo estão bastante favoráveis.

Qual o impacto na inflação?

O que vimos recentemente é que os preços do atacado subiram mais que os do varejo. Na pandemia as empresas tiveram queda de receita e em algum momento vão precisar recuperar caixa e isso vai impactar o nível de preços. Mas quanto vão conseguir repassar ao consumidor vai depender da recuperação da economia, que ainda está bastante deprimida. Talvez o repasse não seja tão forte porque o mercado de trabalho e a renda vão demorar a se recompor, principalmente com o fim do auxílio emergencial.

Essa situação vai se manter?

É possível que nos próximos meses a indústria consiga se recompor e se reorganizar e a oferta volte a se normalizar, evitando reajustes fortes nos preços finais. Mas enquanto tivermos o câmbio bastante desvalorizado e a pressão das commodities, haverá pressão dos preços no atacado e no varejo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?