Edição nº 1113 22.03 Ver ediçõs anteriores

Há dez associações de produtoras de vinho na França

Há dez associações de produtoras de vinho na França

Produtoras da associação Femmes Vignes Rhône

Há na França pelo menos dez associações de mulheres ligadas ao mundo do vinho. Agrupadas no guarda-chuva Le Cercle des Femmes de Vin, elas têm uma pauta ampla de assuntos que a levaram a se reunir: desde pensar em ações contra o machismo na atualidade, dividir problemas comuns e pensar em soluções para eles, até trocar ideias de mercado. Ao todo, são mais de 200 produtoras, das mais diversas idades.

Chama a atenção que a maioria destas associações surgiram depois do ano 2005. Ou seja, as questões de gênero, inclusive na viticultura, são assuntos atuais. Em entrevista a Isabelle Moreira Lima, no Paladar, do Estadão, por exemplo, Véronique Lombardo, do Château le Devoy Martine, afirmou: “Os funcionários que não me respeitam, bem, eu os demito. Os fornecedores, eu troco. A verdade – e o que muitos não conseguem entender – é que nós temos o poder de decidir. E o talão de cheques na mão.”

Véronique Lombardo é uma das 31 produtoras que pertence a Femmes Vignes Rhône, presidida por Françoise Roumieux. A associação foi fundada em 2004. As demais associações francesas de mulheres e vinho são Les Dames de Coeur de Loire, Les diVINes d’Alsace; Etoiles en Beaujolais; Les Aliénor du vin de Bordeaux; Femmes et Vins de Bourgogne; Les Fa’bulleuses (numa brincadeira com as borbulhas, de Champanhe), Eléonores de Provence; SO Femme & Vin (de regiões próximas à Bordeaux) e Les Vinifilles (de Languedoc Rousillon). As enólogas de Languedoc, por exemplo, representam uma superfície de 620 hectares, empregam 100 funcionários e exportam 40% da produção.

Em 2014, eu tive a oportunidade de participar de uma degustação das Femmes et Vins de Bourgogne, realizada durante o Grands Jours de Bourgogne. Fundada no ano 2000, esta associação reúne 40 mulheres das diversas apelações da região. Não era um encontro feminista (havia, inclusive, muitos homens degustando os seus vinhos), mas eram as mulheres que serviam os seus brancos e tintos. Anne Gros, da domaine que leva o seu nome, era uma das presentes. Na degustação, ela não quis falar de questões de gênero, disse não acreditar em vinhos masculinos ou femininos. E pude provar seus vinhos, que são muito elegantes.


Mais posts

As mulheres do Jerez

A Maestro Sierra é a mais conhecida pela liderança feminina, mas há várias mulheres em posição de destaque nestes vinhos espanhóis únicos

Marilisa Allegrini, a embaixadora dos vinhos do Vêneto

Da sexta geração da família produtora de vinhos italianos, ela demorou a entrar no mundo do vinho por achar que os irmãos assumiriam o [...]

Margareth Henriquez, uma mulher no mundo do champanhe

Presidente da Krug, ela trabalha para manter os ensinamentos do fundador da marca, de elaborar um produto com qualidade crescente

Emily Faulconer, a jovem enóloga que lidera a Viña Carmen

Ao assumir a vinícola chilena, no ano passado, houveram aqueles que a acharam muito jovem para este desafio

A argentina Paz Levinson fala sobre o trabalho das sommelières

Atualmente, Paz é a principal sommelier do Groupe Pic, com restaurantes na França, na Suíça e na Inglaterra e só tem elogios para a [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.