Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Gilberto Kassab, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Há chance zero de barganha e de anistia para a Oi

João Castellano | Silvia Costanti / Valor

Há chance zero de barganha e de anistia para a Oi

Carlos DIAS
Edição 17.03.2017 - nº 1010

Como todo político em Brasília nos dias de hoje, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, vive dias inquietos. Em tempos de vacas magras na economia, ele dribla o desafio de impedir que as pesquisas parem no País por falta de recursos e ainda lida com um pepino gigante: o caso da operadora de telefonia Oi, que está em sérias dificuldades financeiras (leia mais aqui). Filho de libaneses, ele ostenta um currículo vasto na vida pública. Foi vereador, prefeito de São Paulo, deputado estadual e federal, ministro de Estado do Governo Dilma e ainda fundou um partido, o PSD.

Agora, no Governo Temer, enfrenta os efeitos da delação da Odebrecht. Seu nome foi mencionado nos rumores sobre a lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que envolveria seis ministros e incendiou o debate sobre o uso de financiamento ilegal de campanhas políticas. Kassab defende a operação Lava Jato: “Qualquer que seja o partido político, se tiver feito alguma irregularidade, que seja punido”. Na quinta-feira 16, ele falou à DINHEIRO.

DINHEIRO – Como o governo brasileiro analisa a crise financeira da operadora Oi, cujas dívidas alcançam R$ 65 bilhões? Haverá algum tipo de intervenção na empresa?

GILBERTO KASSAB – A preocupação é evidentemente muito grande. A Oi tem uma presença muito forte no País, opera em mais de dois mil municípios. E, se a intervenção judicial na empresa não for bem-sucedida, só nos restará intervir. Até porque, somos obrigados a fazer isso por meio da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que está preparada. A Agência tem tomado as últimas providências, tenho sido atualizado semanalmente sobre a situação. O que estiver ao nosso alcance para apoiar a Oi, que não sejam recursos, poderemos fazer. Mas [o que podemos fazer] é muito pouco no momento.

DINHEIRO – A sua percepção diante dos fatos é de que deve haver uma intervenção na Oi?

KASSAB – Se eu te disser que é, amanhã isso será manchete em todos os jornais. Até porque não é. Uma intervenção tira do comando os atuais controladores. Para eles é muito melhor o entendimento com os investidores do que perder o controle com uma intervenção. Nós não queremos intervir e acredito que eles também não queiram.

DINHEIRO – E em relação às multas da Anatel? A Oi diz que deve R$ 11 bilhões. Já a Anatel afirma que tem R$ 20 bilhões a receber da operadora. Haverá uma anistia para esta dívida, algum tipo de barganha por algum tipo de compromisso de investimento?

KASSAB – Chance zero de barganha, não existe esta palavra aqui. E chance zero de anistia. O que existe é uma discussão com Ministério Público, Anatel, Tribunal de Contas da União e Advocacia Geral da União. Isso para saber até que ponto, pensando-se exclusivamente no usuário, existe a possibilidade de se fazer uma conversão de parte da dívida, sem perdão. Investimentos que seriam definidos pelo Poder Público para este fim.

DINHEIRO – Muitas operadoras de telefonia reclamam que o aplicativo WhatsApp fornece um serviço de voz sem pagar os devidos impostos que elas pagam, o que caracterizaria uma concorrência desleal. O governo pretende taxar o WhatsApp por estes serviços?

KASSAB – Não haverá nenhuma carga tributária sobre o WhatsApp. Temos a perfeita noção de que isto penalizaria demais o consumidor brasileiro. É preciso encontrar outras saídas criativas de convivência desses dois mundos, de novas tecnologias e operadoras. Mas jamais com a criação de impostos.

DINHEIRO – Que tipo de “saídas criativas” podem ser adotadas?

KASSAB – É preciso uma saída que contemple ambos os lados. Assim como o WhatsApp tem esta facilidade, o conforto de não pagar impostos, é possível algum diálogo na regulamentação. Da outra parte, das operadoras, identificar formas para que sejam mais baratas as operações que realizam.

DINHEIRO – O Senado aprovou, na última quarta-feira 15, uma emenda ao Marco Civil da Internet que proíbe limites para a banda larga fixa no Brasil. O senhor havia se posicionado recentemente a favor desse limite. Como avalia esta posição dos senadores, que deve agora passar pelo crivo da Câmara dos Deputados?

KASSAB – Em primeiro lugar, não disse que defendia o limite, mas sim de que havia uma discussão. Eu inclusive defendi esse projeto (votado no Senado). Até porque, com o passar do tempo, existirão melhorias tecnológicas e instrumentos que permitam que as operadoras ofereçam banda larga ilimitada. Nesse sentido, tenho certeza que a mudança no Marco Civil é correta.

Orelhões da Oi: intervenção judicial e multas da Anatel
Orelhões da Oi: intervenção judicial e multas da Anatel (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Há uma discussão crescente no meio político e no mercado se é de fato o momento para uma revisão da Lei de Informática, uma modernização. Isso ocorrerá?

KASSAB – Sim, por causa da decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC), tanto na Lei da Informática quanto na Lei do Bem (em novembro de 2016, a OMC condenou a política industrial brasileira por uma série de incentivos concedidos). O Brasil precisa se atualizar. Até mesmo para proteger nossos investimentos. O País está representado pelo Ministério das Relações Exteriores junto à OMC. De minha parte, já solicitei à Secretaria de Informática um trabalho sobre atualização das duas leis – Informática e Bem – diante de algum posicionamento da OMC nesse sentido. Lembrando que a OMC não está mais aceitando uma série de incentivos aqui no Brasil. E não podemos aceitar isso passivamente, até porque esses incentivos foram fundamentais para o nosso crescimento.

DINHEIRO – Como o governo brasileiro avalia a postura da OMC em relação aos incentivos concedidos?

KASSAB – Avaliamos com muita preocupação. Achamos que é uma postura equivocada da OMC, até mesmo indevida. Mas estamos agindo com a garra de que dispomos, com o peso do governo brasileiro. Vamos com muita energia na defesa dos interesses do Brasil.

DINHEIRO – O que será feito?

KASSAB – Consideramos a “Lei de Informática” um patrimônio brasileiro. E caso a decisão da OMC seja mantida, causará um enorme desconforto, em prejuízo às políticas públicas de informática no País. E um gestor público precisa trabalhar com todas as possibilidades, isto é, para reversão da decisão da OMC e também caso isso não ocorra.

DINHEIRO – Olhando-se no retrovisor, o governo brasileiro concedeu muito mais incentivos para indústria de hardware do que a de software nas últimas décadas. Os números mostram hoje que a indústria de software é muito relevante. O que mudou?

KASSAB – De fato houve grande incentivo ao hardware no passado. Mas continuamos tendo a perfeita noção de que é preciso uma atualização. A razão para isso é que as transformações nessa área são muito rápidas. Penso que continua sendo importante incentivar o hardware, sem deixar de observar o peso cada vez maior da indústria de software.

DINHEIRO – O senhor está com viagem agendada na próxima terça-feira, 21, para o lançamento de um satélite brasileiro na Guiana Francesa. Para que servirá este satélite?

Para o ministro, é preciso encontrar uma solução criativa entre aplicativo e operadoras
Para o ministro, é preciso encontrar uma solução criativa entre aplicativo e operadoras (Crédito:Divulgação)

KASSAB – Vamos lançar o primeiro satélite proprietário brasileiro, construído na França com a transferência de tecnologia, um projeto de mais de 20 anos. Foram gastos R$ 2,7 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão já foram pagos. Este satélite nos dará autonomia para implantação da banda larga em todo o território nacional, nas regiões mais pobres inclusive. E 30% da sua capacidade será usada para a Defesa, para o monitoramento de nossas fronteiras.

DINHEIRO – Em relação à telefonia fixa, as empresas que assinaram os planos de universalização lá atrás, quando foi feita a Lei Geral de Telecomunicações, são obrigadas a cumprir uma série de compromissos que as outras, que vieram depois, não precisam. Como resolver esse problema?

KASSAB – É preciso lembrar que a telefonia fixa está acabando em todo o mundo. Em 2025, quando terminar a concessão, a telefonia fixa não valerá nada, muito menos o seu patrimônio. Lembrando que, mesmo assim, o que sobrar desse patrimônio o governo brasileiro será obrigado a comprar. Há um projeto em tramitação no Senado, que particularmente defendo, em que haveria uma migração da telefonia fixa. As empresas comprariam esse patrimônio que vale algo hoje, e em contrapartida seriam obrigadas a investir em banda larga.

DINHEIRO – O dinheiro anda escasso em Brasília, cortes grandes nos orçamentos. Como está o seu cobertor no ministério, curto?

KASSAB – Assumimos o ministério com uma situação de terra arrasada. O fato é que vivemos uma conjuntura econômica desfavorável, não daria para imaginar que teríamos aqui no ministério uma Ilha da Fantasia, um céu de brigadeiro. Mas com a compreensão do presidente Temer e da equipe econômica, recuperamos um pouco, cerca de 30% além do que foi orçado no ano passado. Estamos acima da média em relação aos outros ministérios.

DINHEIRO – E quais são as prioridades do ministério?

KASSAB – São os projetos já em andamento. Por exemplo, o projeto do acelerador de partículas Sirius, em Campinas, que será o segundo mais moderno do mundo. Há também os pagamentos da FINEP (fomento à ciência, tecnologia e inovação), os de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Sem contar as cidades inteligentes, que ampliaremos, e o trabalho em Internet das Coisas (IOT, na sigla em inglês), que é a grande pauta do momento. Em relação a IOT, aliás, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contratou uma consultoria internacional que até setembro traçará um plano de ação e investimento.

DINHEIRO – E em relação à política? O que o senhor tem a dizer sobre a lista do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot e de que forma influencia o seu trabalho e o dia a dia no ministério?

KASSAB – Eu defendo a Lava Jato, acho que ela é muito importante para o País. Trata-se de um momento muito feliz dessas apurações. Em relação às campanhas que participei, do meu partido e aliados, não tenho conhecimento de nenhuma irregularidade. Portanto, que sejam feitas as investigações. E qualquer que seja o partido o político, se tiver feito alguma irregularidade, que seja punido.

DINHEIRO – Quais são os seus planos políticos?

KASSAB – Hoje estou licenciado do meu partido [PSD]. Mas no momento correto vou me reunir com meu colegas. Parodiando o governador Geraldo Alckmin, ano ímpar é para administrar; ano par, cuida-se de eleição. Eu gosto da vida pública, já fui muita coisa e vou continuar. Considero-me uma pessoa muito feliz. As circunstâncias ditarão
o meu futuro.

  • Dólar Comercial
    R$3,23600 +0,43%
  • Euro Comercial
    R$4,01530 +0,38%
  • Dow Jones
    25.219,40 +0,08%
  • Nasdaq
    7.239,4700 -0,23%
  • Londres
    7.247,66 -0,64%
  • Frankfurt
    12.385,60 -0,53%
  • Paris
    5.256,18 -0,48%
  • Madrid
    9.806,20 -0,26%
  • Hong Kong
    31.115,40 0,00%
  • CDI Anual
    6,64% 0,00%

Planalto

Marun anuncia oficialmente suspensão da reforma da Previdência

Carlos Marun, que admitiu haver "insegurança jurídica" sobre a possibilidade de continuar discutindo a reforma durante o período da intervenção. Saiba mais


Ibovespa fecha em alta de 0,32%, aos 84.792,70 pontos

Apesar da previdência

Ibovespa fecha em alta de 0,32%, aos 84.792,70 pontos

“Recebemos mais de 60 nãos antes de conseguir o primeiro investimento de R$ 1 milhão”

Entrevista

“Recebemos mais de 60 nãos antes de conseguir o primeiro investimento de R$ 1 milhão”

Bradesco lança conta corrente gratuita no Next

Banco virtual

Bradesco lança conta corrente gratuita no Next

Com Itaú como sócio, XP quer superar bancos e virar líder em investimentos

Finanças

Com Itaú como sócio, XP quer superar bancos e virar líder em investimentos

Pantera Negra arrebenta recorde de bilheteria nos EUA

Cinema

Pantera Negra arrebenta recorde de bilheteria nos EUA

Graças ao Dia dos Presidentes nos EUA na segunda-feira, 19, os ganhos estimados do "Pantera Negra" foram impulsionados para um estratosférico de US$ 218 milhões - esmagando "Deadpool", o recorde de 2016 do dia dos presidentes, de US$ 152,1 milhões. Saiba mais


Tecnologia

O que viveu um jornalista que trabalhou na Amazon

Alta Produtividade

Alta Produtividade

O que viveu um jornalista que trabalhou na Amazon

Amazon pretende iniciar operação própria no Brasil. Para a iniciativa privada, um momento para conquistar um grande cliente. Porém, o que isso significa para os quase 12 milhões de desempregados no País? James Bloodworth mostrou como é trabalhar para a Amazon no exterior.


Negócios


Fibria confirma conversas com Suzano sobre alternativas estratégicas

Fusão

Fibria confirma conversas com Suzano sobre alternativas estratégicas

Papel e Celulose

Discussões com controladores da Fibria são muito preliminares, diz Suzano

Varejo

Casino inicia negociações exclusivas para compra de varejista online de calçados

Bolsas

Mercado tenso retira US$ 9,3 bi de emergentes


TV DINHEIRO

Dinheiro na Semana debate como combater a corrupção empresarial

Ao vivo pelo Facebook

Ao vivo pelo Facebook

Dinheiro na Semana debate como combater a corrupção empresarial

Nesta segunda-feira 19, o programa Dinheiro na Semana recebe Wagner Giovanini, um dos principais especialistas em compliance do Brasil.


Economia


IBC-Br sobe 1,04% no acumulado de 2017, sem ajuste, afirma Banco Central

Prévia do PIB

IBC-Br sobe 1,04% no acumulado de 2017, sem ajuste, afirma Banco Central

Combustível

Petrobras passar a divulgar preço médio nacional do litro da gasolina e do diesel

Cambio

Com feriados nos EUA e China, dólar passa a subir em meio à liquidez fraca

Pesquisa

Projeção do Focus para Selic no fim de 2018 segue em 6,75% ao ano


Mundo

Mercado imobiliário da Espanha retoma níveis pré-crise de 2008

Europa

Mercado imobiliário da Espanha retoma níveis pré-crise de 2008

Bill Gates diz que bilionários deveriam pagar mais impostos

Filantropia

Bill Gates diz que bilionários deveriam pagar mais impostos

Trump apoia reforço do controle para compra de armas após tiroteio

Estados Unidos

Trump apoia reforço do controle para compra de armas após tiroteio


Entrevista

O impacto do blockchain sobre a economia brasileira será imenso

Don Tapscott, autor de "Blockchain Revolution"

Don Tapscott, autor de "Blockchain Revolution"

O impacto do blockchain sobre a economia brasileira será imenso

Don Tapscott começou a escrever sobre tecnologia nos anos 1980, e, em 1995, publicou seu bestseller A Economia Digital. Duas décadas mais tarde, ele voltou às manchetes, com a publicação de Blockchain Revolution


Mercado Digital


Amazon começa a reforçar operação própria no Brasil

Só sorrisos

Amazon começa a reforçar operação própria no Brasil

Depois de chegar de forma tímida ao Brasil, a gigante global do comércio eletrônico negocia quadruplicar seu centro de distribuição e começa a reforçar sua operação própria

Facebook vive novo calvário com saída de anunciantes

Martírio

Facebook vive novo calvário com saída de anunciantes

A Unilever, um dos maiores anunciantes do mundo, ameaça deixar de investir na rede social de Mark Zuckerberg e evidencia a crise pela qual a empresa passa com a disseminação de notícias falsas


Negócios

O que a HP está fazendo para mudar sua imagem

Além da primeira impressão

Além da primeira impressão

O que a HP está fazendo para mudar sua imagem

Quando a HP separou suas operações, a área de PCs e de impressoras era considerada o patinho feio. Dois anos depois, tudo mudou para a companhia


Economia


Setor elétrico desponta como a nova joia da coroa

Choque de Investimentos

Setor elétrico desponta como a nova joia da coroa

Com boa oferta de ativos e avanço na regulação, o setor elétrico desponta como o novo “queridinho” dos investidores estrangeiros no Brasil

Como a violência está minando a economia do Rio

Caos

Como a violência está minando a economia do Rio

A intervenção federal na segurança pública é a última esperança de salvar o Rio de Janeiro. A violência está minando a economia local e agravando o quadro social

Brasil abre as portas a refugiados venezuelanos

Bandeira verde

Brasil abre as portas a refugiados venezuelanos

Brasil decreta “emergência social” para receber 18 mil refugiados em Roraima

A difícil missão de Powell, novo presidente do FED

Estados Unidos

A difícil missão de Powell, novo presidente do FED

Diferente de seus antecessores, o novo presidente do banco central americano terá de reduzir o ritmo da economia sem colocar seu país (e o resto do mundo) de novo em crise

Há tempo para uma alternativa ao Brexit?

Reino Unido

Há tempo para uma alternativa ao Brexit?

Enquanto a primeira ministra Theresa May direciona seus esforços para a China, o megainvestidor George Soros tenta impedir a separação entre o Reino Unido e a União Europeia


Finanças


Paraná Banco volta suas forças para o crédito consignado

Um negócio só

Paraná Banco volta suas forças para o crédito consignado

Para se diferenciar dos concorrentes, o Paraná Banco fez uma revisão de sua estratégia, decidiu voltar às origens e focar apenas no crédito consignado

Juros e crescimento da economia abrem caminho para os lucros

Aceleração

Juros e crescimento da economia abrem caminho para os lucros

Juros baixos e expectativa de crescimento da economia incentivam os ganhos dos fundos imobiliários. Saiba o que os especialistas recomendam


Estilo

Por que falar bem é tão importante nos negócios

Força da oratória

Força da oratória

Por que falar bem é tão importante nos negócios

Tanto para fechar novos acordos quanto para causar uma boa impressão pessoal, executivos investem na arte da oratória e da influência


Colunas


A necessária igualdade na Previdência

Editorial

A necessária igualdade na Previdência

Bolsonaro come pelas beiradas

Moeda Forte

Bolsonaro come pelas beiradas

A força da vitamina c

Sustentabilidade

A força da vitamina c

Um trimestre para sorrir

Dinheiro & Tecnologia

Um trimestre para sorrir

Niemeyer e Véio são destaque em Milão

Cobiça

Niemeyer e Véio são destaque em Milão

Trump pode afundar os EUA e o mundo

Por Luís Artur Nogueira

Por Luís Artur Nogueira

Trump pode afundar os EUA e o mundo

O maior equívoco de Trump foi estimular a economia num momento de forte crescimento. Isso pode obrigar o Federal Reserve, sob o comando de Jerome Powell (à dir.), a elevar os juros várias vezes para controlar a inflação

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.