Giro

GW Pharmaceuticals vende operação de cannabis e ações sobem 46%

Crédito: Reprodução/GW Pharmaceuticals

A GW Pharmaceuticals foi a primeira empresa autorizada pela FDA a usar os compostos da cannabis no tratamento de epilepsia (Crédito: Reprodução/GW Pharmaceuticals)

Após anunciar fusão bilionária com a Jazz Pharmaceutical, a GW Pharmaceuticals registrou valorização de 46% nas ações que negocia na Nasdaq. A Jazz vai pagar mais de US$ 7,2 bilhões na transação e vai passar a ter controle da unidade de terapias derivadas da planta da maconha.

Assim que o mercado norte-americano abriu nesta quarta-feira (3), as ações da GW saltaram de US$ 146 para US$ 216, atingindo pico de US$ 217,50, após uma hora. Às 15h44 o papel era negociado a US$ 213,34.

+ OPEP+ acredita na recuperação da demanda de petróleo neste ano
+ Lista de Bolsonaro prioriza de Eletrobras, GLO, ‘homeschooling’ a porte de armas
+ BC tem perda de R$ 16,338 bi com swap cambial em janeiro

Com sede no Reino Unido, a GW foi a primeira companhia a receber da FDA (agência reguladora de remédios nos EUA) autorização para uso da terapia do canabidiol em pacientes com problemas de epilepsia. Desde então, já vendeu mais de US$ 510 milhões por ano com o Epidiolex, medicamento lançado há pouco mais de dois anos.

Os conselhos das duas empresas aprovaram a fusão e, segundo o Business Insider, o acordo deve ser finalizado ainda no segundo trimestre.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel