Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Grupos Volkswagen, Toyota e Renault-Nissan dão um banho na concorrência

Montadoras europeias e japonesas brilham, enquanto as americanas e coreanas perdem mercado em 2017

Grupos Volkswagen, Toyota e Renault-Nissan dão um banho na concorrência

Maruti Wagon R: um dos carros mais vendidos da Índia, um mercado fundamental para a ótima posição da Suzuki Motor Company no ranking global

“A união faz a força” é um lema tão antigo quanto o homo sapiens, mas serve perfeitamente para explicar o que aconteceu na indústria automobilística mundial em 2017. Isso é o que podemos deduzir do ranking que a consultoria Focus2Move acaba de divulgar. Rápida na atualização de seu Global Auto Database, a empresa mostra quais foram os grupos de fabricantes que brilharam (e os que caíram) na temporada passada. Os grupos Volkswagen, Toyota e Renault-Nissan deram um banho na concorrência: juntos, somaram mais de 30 milhões de automóveis de passeio e comerciais leves vendidos.

O Volkswagen Group foi novamente o campeão entre os fabricantes, com 10,4 milhões de vendas e crescimento de 3,9% em relação a 2016. Sua já tradicional rival global, a Toyota Motor Company, ficou em segundo lugar, com 10,1 milhões de vendas e crescimento de 1,7%. Mas a grande novidade foi o forte crescimento da Aliança Renault-Nissan (6,3%), que também ficou na casa de 10,1 milhões e perdeu por apenas 46 mil carros para a Toyota. Num mercado global, esse número é irrisório.

Mas, por que a união faz a força nesse caso? Porque somente nesse pódio de mais de 30 milhões de carros temos dois exemplos disso. O primeiro vem do próprio Grupo Volkswagen, que reúne marcas como Audi, Porsche, Seat, Lamborghini, Bugatti, Bentley, Skoda e Rolls-Royce, além da própria Volks. Sozinha, a Volkswagen ainda não conseguiu superar a Toyota no ranking global de marcas. O segundo exemplo está na Renault-Nissan. Com a entrada da Mitsubishi, a Aliança cresceu e já disputa a liderança global. Além das japonesas Mitsubishi, Infiniti e Datsun, ela conta também com a romena Dacia e com a russa Lada. Confira os números do ranking abaixo.

POS. GRUPO VENDAS VAR. PRINCIPAIS MARCAS
1 Volkswagen Group 10.413.355 3,9% VW, Audi, Porsche, Seat, Lamborghini, Bentley, Bugatti
2 Toyota M. C. 10.163.491 1,7% Toyota, Lexus
3 Renault Nissan Alliance 10.117.402 6,3% Renault, Nissan, Mitsubishi, Dacia, Lada, Infiniti
4 Hyundai Kia 7.280.054 -8,3% Hyundai, Kia
5 General Motors 6.875.098 0,5% Chevrolet, Buick, Cadillac, GMC, Holden, Wulling
6 Ford M. C. 6.254.133 -1,4% Ford, Lincoln, Changan
7 Honda M. C. 5.359.185 8,3% Honda, Acura
8 Fiat Chysler Automobiles 4.863.291 1,8% Fiat, Jeep, Alfa Romeo, Dodge, Chrysler, Lancia, Maserati
9 PSA Groupe 4.161.389 -2,7% Peugeot, Citroën, Opel, Vauxhall, DS, Dongfeng
10 Suzuki M. C. 3.148.930 11,0% Suzuki, Maruti

Mais uniões e desuniões

Uma análise do quadro acima – que traz o ranking e a composição de cada grupo – revela que os grupos japoneses foram os grandes destaques da temporada passada, ao lado dos europeus. Já há algum tempo venho dizendo que os carros japoneses voltaram a brilhar, pois são confiáveis, fáceis de dirigir, inovadores sem chocar o consumidor, bonitos sem exagerar no design, rápidos e ecológicos.

A soma de vários automóveis com essas características resultou na presença da Toyota, Nissan, Mitsubishi, Lexus, Datsun, Infiniti, Honda, Acura e Suzuki nas 10 primeiras posições, com seus respectivos grupos. Das marcas famosas, só a Subaru e a Daihatsu ficaram de fora. Também foi da Suzuki e da Honda os maiores crescimentos no ano passado: 11,0% e 8,3%, respectivamente.

Por outro lado, a dupla coreana Hyundai-Kia desabou os mesmos 8,3% que a Honda subiu. A Samsung Cars, uma empresa coreana, faz parte da Aliança Renault-Nissan. Da mesma forma, as estadunidenses GM e Ford perderam participação. A GM livrou-se do peso das marcas europeias Opel e Vauxhall e ainda conseguiu crescer 0,5%, mas agora ocupa apenas o quinto lugar no ranking, com vendas abaixo de 7 milhões. Logo em seguida aparece a Ford, que caiu 1,4% e também está na casa dos 6 milhões de carros vendidos. Os dois grupos dos EUA possuem parceiros na China, o maior mercado do mundo: Wulling para a GM e Changan para a Ford.

No sétimo lugar, o grupo ítalo-americano FCA só ocupa essa posição de destaque por causa da força das marcas Fiat (na Itália e no Brasil), Lancia (na Itália) e Jeep (global). A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) cresceu 1,8% e se aproximou da casa dos 5 milhões de carros/ano, mas analistas consideram que uma união com um grupo chinês ou até com a Hyundai-Kia seria fundamental para se fortalecer financeiramente. De qualquer forma, marcas como Alfa Romeo e Maserati têm grande potencial para fazer a FCA crescer globalmente.

Curiosamente, o PSA Groupe, que reúne as francesas Peugeot, Citroën e DS, acabou recuando 2,7% nas vendas, apesar de ter adquirido da GM as marcas Opel e Vauxhall. Apoiado na administração da chinesa Dongfeng, o PSA Groupe tem focado nos resultados financeiros, que ficaram mais factíveis porque a aquisição da Opel/Vauxhall aumentou sua importância perante os fornecedores. Como se sabe, nesse mercado, cada dólar, euro, iene ou yuan economizado na compra de peças é fundamental.

Finalmente, na décima posição, temos a surpreendente Suzuki Motor Corporation. Outro exemplo de que a união faz a força. Em janeiro de 2017, a Suzuki adquiriu 51% das ações da Maruti Udyog Limited, uma montadora que há seis anos passou da marca de 10 milhões de veículos vendidos na Índia. Atualmente, a Suzuki possui 56,2% das cotas da Maruti. Alguma dúvida de que a união faz a força?


Mais posts

Honda ultrapassa Nissan e novo Civic brilha no ranking mundial de 2017

Apesar dos esperados títulos da Toyota e do Corolla como marca e carro mais vendidos do mundo, o crescimento da Honda e do Civic foram [...]

Jeep Compass explode nas buscas do Mercado Livre e sobe 295% em apenas um semestre

O SUV mais vendido do País rouba o lugar do Honda HR-V no ranking dos 10 carros mais procurados no varejo eletrônico

Eis os 7 campeões de 2017: Onix, Ka, Prisma, Corolla, Compass, Strada e Toro

Dois carros da Chevrolet, um da Ford, um da Toyota, um da Jeep e duas picapes da Fiat dominam as categorias que representam 93,7% das [...]

Veículos elétricos e híbridos serão metade do mercado global de automóveis até 2030

Até 2025 o ritmo da revolução da eletrificação no mercado de carros será lenta e gradual, mas a partir daí irá acelerar – e a Europa [...]

Polo e Argo destroem mercado do Sandero e já ameaçam HB20 e March

Com o novo padrão de qualidade imposto pelo Volkswagen Polo e pelo Fiat Argo ao segmento de hatches pequenos, a Renault, a Hyundai e a [...]
Ver mais

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.