Publieditorial

Grupo Harrison cresce nos últimos anos motivado por transformar vidas

Referência no segmento de precatórios federais, companhia aumenta quadro de colaboradores, aposta em novos mercados e segue investindo em educação financeira

Crédito: KAIO ASSIS

Grupo Harrison cresce nos últimos anos motivado por transformar vidas (Crédito: KAIO ASSIS)

Grupo Harrison

Fundado há oito anos, o Grupo Harrison vem trilhando uma história de sucesso no Brasil. Referência nacional no segmento de precatórios federais – responde por 80% dos negócios do grupo – o grupo nasceu das mãos do empresário Gabriel Harrison, 31 anos, que após sua experiência como corretor de precatórios decidiu colocar em prática o conhecimento acumulado e alçar voo solo. Desde então, a empresa acumula conquistas, números e vitórias que colocam o empresário, que teve uma infância humilde – chegou a vender pipas para incrementar a renda familiar – em uma trajetória que o levou a conquistar seu primeiro R$ 1 milhão com somente 25 anos.

Atuando em um mercado pouco explorado no Brasil, porém bastante próspero – neste ano, o governo federal pagou cerca de R$ 46 bilhões em precatórios – o Grupo Harrison se destaca perante à concorrência por trabalhar com prazos de remuneração muito reduzidos, além de taxas atrativas. “Enquanto outras companhias demoram 60 dias para remunerar seus clientes pela compra dos precatórios, nós fazemos isso em apenas 72 horas”, explica Gabriel. Segundo ele, isso é possível graças às bases sólidas da companhia e uma equipe jurídica altamente especializada.

Com a vocação transformadora de vidas, de acordo com Harrison, o grupo vem se expandindo consideravelmente nos últimos anos. Somente em número de colaboradores, cresceu, em média, 30% ao ano, somando atualmente 70 pessoas em sua equipe. Esse ritmo se manteve forte também em 2020, mesmo com a pandemia da Covid-19, movida principalmente pelo aumento da busca pela liquidação de precatórios.

“Em nenhum momento sentimos que nossos negócios sinalizaram queda em 2020, principalmente nos meses mais críticos da pandemia. Muito pelo contrário, registramos um aumento de 75% na procura de pessoas que queriam vender seus precatórios e aproveitar a oportunidade para realizar seus sonhos, ou até mesmo pagar contas”, afirma Gabriel.

Com uma forte vocação para os negócios – o CEO do grupo conquistou seu primeiro R$ 1 milhão com apenas 25 anos – Gabriel fundou o Harry Bank em 2019, uma  ntech que gerou recentemente um de seus primeiros frutos: a conveniência Harry Pay, que inaugura
a entrada do grupo no universo dos meios de pagamento. O produto se destaca por contar com duas tecnologias: a possibilidade de pagamento de boletos dividindo em até 12x e microcrédito, além de taxas convidativas. Com apenas dois meses de comercialização, a conveniência do Harry Bank já conquistou o Brasil: há mais de 2.500 equipamentos espalhados pelos comércios de todo o país.

Para Gabriel, o objetivo é que a Harry Pay ofereça conveniência e rentabilidade para os pequenos empresários. “Além de dividirmos o valor da taxa com o cliente, quanto mais pagamentos ele fizer pela máquina, mais abatimento no valor restante ele conseguirá, podendo chegar a zero. Essa é a nossa formade levar movimentação para eles e tornar seus negócios mais fortes”.

Um outro braço importante da empresa é o educacional. Movido por sua experiência de sucesso, Gabriel decidiu levar um pouco dos seus conhecimentos para o mundo das escolas e, desde então, ministra palestras em escolas públicas sobre educação financeira em instituições públicas educacionais de estados como Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, entre outros. Essa iniciativa ganhou tamanha proporção que a empresa já patrocinou diversos projetos ligados ao tema e o próprio CEO foi chamado para dirigir a audiência pública do Projeto de Lei que está em tramitação para a implementação da matéria sobre educação financeira em todas as escolas públicas do Brasil.

Mas a ideia é colocar esse tema em prática no projeto Harry Play, uma plataforma virtual de educação financeira que contará com cursos de diversas iniciativas sobre o tema reunidos em um só lugar. Para ter acesso, o usuário pagará uma mensalidade com preço acessível. “Ainda estamos na fase de desenvolvimento, mas acreditamos que até o final do ano estará tudo pronto para colocarmos a Harry Play no mercado brasileiro”, conclui Gabriel.

Tópicos

Grupo Harrison