Giro

Grupo de pediatras considera seguro escolas infantis abertas durante pandemia

Um grupo de mais de cem médicos pediatras do Hospital das Clínicas e do Hospital Albert Einstein divulgou manifesto neste sábado, 21, a favor de manter as escolas infantis abertas, mediante protocolos de segurança, mesmo diante do aumento de casos de covid-19 no Brasil nas últimas semanas.

De acordo com Luciana Becker Mau, médica infectopediatra do Hospital Albert Einstein e representante do grupo, os pediatras reconhecem o momento complexo e consideram a escola que segue os protocolos de segurança um local seguro para as crianças durante as diversas fases da pandemia.

“Até seis anos está cada vez mais consolidado que a possibilidade tanto de infecção quanto de transmissão é pequena. Nunca é zero. Entre seis e 11 anos há um aumento dessa possibilidade e acima dos 11 anos já fica muito próximo do que acontece com os adultos”, explica Luciana.

Segundo o manifesto, as crianças se infectam 2 a 5 vezes menos do que os adultos e não são consideradas disseminadoras em potencial do vírus. ” A grande maioria das crianças é assintomática ou apresenta sintomas leves, principalmente os mais novos e, portanto, transmitem menos”, disse Luciana.

A médica Luciana ressalta que o isolamento social prolongado traz muitos transtornos para a saúde mental e para o desenvolvimento infantil. “A gente vai ter que aprender a conviver com o vírus. Acredito que ainda vai demorar um tempo para voltarmos a viver padrões que vivíamos antes.

Um levantamento feito pelo Estadão mostrou que a maioria das escolas particulares na capital paulista teve no máximo dois casos de covid entre os alunos ou entre os professores desde que foram abertas, há pouco mais de um mês.

A reportagem questionou 20 dos maiores colégios da capital e 14 deles concordaram em responder ao levantamento. Somadas as escolas, elas têm recebido mais de 7 mil estudantes em atividades presenciais e cerca de 2,5 mil docentes e funcionários. Para especialistas, o número é baixo e indica que a escola não é o principal local para risco de infecção.

Há preocupação, no entanto, com o crescimento da quantidade de casos de coronavírus na capital, que tem atingido principalmente as classes mais altas. Na semana passada, a escola americana Graded School, de São Paulo, teve de suspender aulas presenciais de alunos do ensino médio e outras turmas mais novas por surtos de covid-19 entre alunos e professores. A contaminação, segundo carta enviada aos pais, teria sido causada por festas com centenas de adolescentes de vários colégios este mês. A escola também passou a exigir testes negativos de covid para que os estudantes voltem a frequentar as atividades.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?