Geral

Grupo de hackers russos está atacando trabalhadores home office dos EUA

Crédito: Arquivo / Agência Brasil

Os hackers da Evil Corp tentaram acessar pelo menos 31 redes de organizações (Crédito: Arquivo / Agência Brasil)

Em um esforço para diminuir a contaminação da Covid-19, trabalhadores de todo o mundo estão em regime home office. Um grupo de hackers russos está usando este momento para atacar várias empresas dos Estados Unidos, visando esses funcionários que trabalham em casa.

Os hackers da Evil Corp tentaram acessar pelo menos 31 redes de organizações para prejudicar os sistemas e exigir milhões de dólares em resgate, segundo reportagem da BBC News. Os dois supostos líderes do grupo foram indiciados pelo Departamento de Justiça dos EUA em dezembro de 2019. Uma preocupação do órgão é que os sistemas de votação do País também sejam afetados.

+ Google: campanhas de Trump e Biden são alvo de hackers estrangeiros
+ EUA diz que hackers chineses podem colocar vacina contra covid-19 em perigo
+ Perfil hacker divulga dados pessoais que seriam de Bolsonaro, família e aliados

As autoridades anunciaram uma recompensa de US$ 5 milhões por informações que ajudem a prender Maksim Yakubets e Igor Turashev, os supostos líderes do grupo. Os dois homens ainda estão à solta.



A Symantec Corporation, empresa que monitora redes corporativas e governamentais, divulgou um aviso de ameaça que foi identificada na noite de ontem (25). A empresa informou que os ataques usaram um tipo novo de ransomware chamado WastedLocker, que é atribuído à Evil Corp.

Ransomware são vírus de computador que podem excluir arquivos, a menos que o resgate seja pago. O vírus WastedLocker exige resgates de US$ 500 mil a US $ 1 milhão para desbloquear os arquivos de computador que ele apreende. Eles estão acessando os computadores pelas redes  privadas de internet, que geralmente não têm a mesma segurança que uma rede empresarial.

Em seu comunicado, a Symantec disse ainda que “a grande maioria dos alvos são grandes corporações, incluindo muitos nomes familiares”, e oito alvos são empresas da Fortune 500 (lista das maiores companhia dos EUA). Segundo o relatório, todas as empresas são nativas dos EUA, exceto uma, que é uma subsidiária sediada no País. As empresas mais atacadas são dos setores de manufatura, tecnologia da informação e mídia.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel