Geral

Grande Rio teve 70 tiroteios durante o carnaval

O laboratório de dados sobre violência armada Fogo Cruzado registrou 70 tiroteios/disparos de arma de fogo na região metropolitana do Rio durante o período do carnaval. Ao todo, segundo o laboratório, foram 23 pessoas baleadas – 12 mortos e 11 feridos.

O número representa um aumento de 15% em relação ao mesmo período de 2018, que teve 61 registros com 30 pessoas baleadas – 18 feridos e 12 mortos. Segundo o laboratório, das 18h do dia 1º de março às 12h desta quarta-feira, 6, houve uma média de 12 tiros por dia. Os bairros com o maior número de registros foram Complexo do Alemão (5), Colégio (4) e Bangu (3).

O número de vítimas de bala perdida chamou a atenção do laboratório neste carnaval: foram cinco pessoas atingidas – quatro morreram. Entre as vítimas estão Maria do Carmo Loyola, de 63 anos, morta por bala perdida no dia 1º, no bairro Shangri-La, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense; Ana Maria Vieira de Souza, de 54 anos, morta por bala perdida na sala de casa no dia 3, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio; e o mototaxista Leonidas Anacleto, de 22 anos, também ferido por bala perdida na mesma região.

Em Marechal Hermes, na zona norte do Rio, Kauan Ramiro Antonio, de 14 anos, e Geres Francisco Gregório Neto, de 39, foram mortos por bala perdida no dia 3. Em 2019, o Fogo Cruzado já registrou 45 vítimas de bala perdida no Grande Rio, 14 morreram.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel