Giro

Governos usaram pandemia para reprimir liberdade de expressão, denuncia AI

Governos usaram pandemia para reprimir liberdade de expressão, denuncia AI

Em meio à pandemia, jornalistas e profissionais de saúde foram silenciados e encarcerados, explicou Rajat Khosla, encarregado da Anistia Internacional - AFP

Governos de todo o mundo, da China à Rússia, passando por Brasil, Nicarágua, Venezuela e Cuba, usaram a pandemia como pretexto para calar as críticas ou restringir o acesso à informação, revela um informe da Anistia Internacional, que será publicado nesta terça-feira.



Nas 38 páginas de “Silenciados e desinformados, a liberdade de expressão em perigo durante a covid-19”, a ONG detalha como desde o ano passado estes governos “lançaram um ataque sem precedentes contra a liberdade de expressão, restringindo gravemente os direitos”, censurando redes sociais, fechando meios de comunicação e obstaculizando canais de comunicação.

“Em meio a uma pandemia, jornalistas e profissionais sanitários foram silenciados e encarcerados”, explicou Rajat Khosla, encarregado da Anistia Internacional. “Como resultado, as pessoas não tiveram acesso à informação sobre a covid-19, inclusive como proteger a si mesmos e suas comunidades”.

“Aproximadamente cinco milhões de pessoas perderam a vida por causa da covid-19 e a falta de informação provavelmente terá contribuído”, destacou.

Assim, já em fevereiro de 2020 na China, onde o coronavírus foi detectado inicialmente no fim de 2019, tinham sido abertas 5.511 investigações penais contra pessoas por “fabricar e difundir deliberadamente informação falsa” sobre a natureza e o alcance da epidemia.



Na Nicarágua, “somando-se à violenta repressão dos protestos sociais iniciados em 2018 e a um número crescente de leis destinadas a restringir severamente o espaço da dissidência, o jornalismo independente e a sociedade civil, o Parlamento aprovou a Lei Especial de Ciberdelitos em outubro de 2020”, destaca o informe.

Segundo o Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos (CENIDH) esta “não só reprime a liberdade de expressão e de imprensa na Nicarágua, mas também impõe a vigilância e o controle absoluto das redes sociais, das plataformas digitais, dos perfis on-line de ativistas políticos e defensores dos direitos humanos, e de todos aqueles que se atrevem a se opor às políticas do governo”, acrescenta.

– Sanções penais e acesso à informação –

Na Venezuela, “as campanhas de desprestígio e estigmatização contra quem critica o governo se intensificaram no último ano”.

Nos últimos oito meses do estado de emergência decretado pela pandemia, 66 jornalistas e trabalhadores de imprensa foram detidos arbitrariamente no país, denuncia, citando o caso de Darvinson Rojas, detido em março de 2020 em represália pela informação sobre a propagação da covid-19, acusado de “apologia do ódio” e “instigação a cometer delitos”, ainda sem data para julgamento.

Em Cuba, o Decreto-Lei 370, relacionado com a expressão on-line, pareceu reforçar a censura durante a pandemia, com multas a jornalistas independentes e “julgamentos arbitrários” por compartilhar informação e opiniões sobre a covid-19. Entre eles, o jornalista Roberto Quiñones esteve detido durante um ano, destaca o informe.

Na mesma linha, a ONG sediada em Londres denuncia que na Rússia, a introdução de leis contra as “notícias falsas” e as sanções penais em relação à covid-19 provavelmente vão continuar em vigor quando a pandemia tiver terminado.

O informe também critica que muitos países tenham obstaculizado o acesso à informação, modificando as leis de liberdade de informação ou suspendendo a obrigação das entidades públicas a permitir que os cidadãos acessassem a informação em seu poder.

“Vários países europeus, entre eles a Espanha, citaram a pandemia ao relaxar ou suspender os prazos para responder às solicitações de liberdade de informação mediante um estado de emergência que suspendeu os prazos de procedimentos dos organismos do setor público”, afirma.

No Brasil, a “medida provisória 928” suspendeu temporariamente os prazos para responder às solicitações sob a Lei de Direito à Informação e proibiu jornalistas ou outras pessoas de apelar dos pedidos negados.

Na opinião de Khosla, além de combater a desinformação, “os Estados e as empresas de redes sociais também devem garantir que o público tenha acesso sem restrições a informação precisa, baseada em provas, e oportuna”.

“Este é um passo crucial”, por exemplo, “para minimizar as dúvidas sobre as vacinas, impulsionadas pela desinformação”, destacou.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?