Negócios

Governos precisam oferecer estímulos para companhias aéreas no mundo, diz Iata

Crédito: Reprodução/Facebook Iata

Avião da airBaltic em operação - empresa que faz parte da lista da Iata (Crédito: Reprodução/Facebook Iata)

Um ano após o início da pandemia, a Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata, na sigla em inglês) afirma que a situação do setor continua preocupante. Para a entidade, os governos ao redor do mundo precisam ajudar as companhias aéreas.

“Governos precisam oferecer estímulos para as companhias aéreas no mundo, os custos continuam crescendo”, disse o diretor-geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 17.

+ Aeroporto de Buenos Aires reabre com voos para o Brasil
+ Itamaraty anuncia terceiro voo para trazer brasileiros de Portugal

Segundo o dirigente, uma recuperação imediata do setor de aviação não será possível sem um “plano organizado” por parte dos governos. “Quanto mais rápido isso acontecer, melhor, se não será muito difícil reorganizar a oferta e os serviços.”



De acordo com a associação, a média mensal de voos internacionais em março de 2021 foi 48% do registrado em março de 2019, período pré-covid. “A demanda doméstica vem apresentando desempenho melhor do que a internacional.”

Fronteiras abertas

A Iata acredita que, com os níveis de vacinação contra a covid-19 crescendo, o tráfego aéreo internacional deve começar a se recuperar de forma consistente. “As vacinas terão um papel importante na recuperação do setor. Esperamos que as fronteiras estejam suficientemente abertas em outubro deste ano ao redor do mundo”, disse Alexandre de Juniac.

No entanto, ele demonstrou preocupação em relação à possibilidade de exigência de vacinação obrigatória por parte dos governos para a livre circulação de passageiros.

“Nossa recomendação não é barrar passageiros que não tenham sido vacinados contra a covid-19”, disse o dirigente.

Segundo ele, a Iata recomenda uma “série de medidas” para minimizar os riscos de contaminação pela covid-19. Uma delas prevê a revisão contínua da necessidade de aplicação de providências para redução dos riscos e aquelas que não forem mais necessárias “devem ser interrompidas”.

Pesquisa com passageiros

Ainda de acordo com o dirigente, uma pesquisa feita pela Iata com passageiros que viajaram desde junho de 2020 mostrou que 90% dos entrevistados acreditam que as companhias aéreas fizeram um “bom trabalho” em relação a regras e medidas de segurança na pandemia. “O setor fez sua lição de casa para atravessar esse período.”

Para ele, após a pandemia o hábito de voar deve voltar de maneira significativa ao redor do mundo. “O apetite por viagens se mantém, as pessoas vão voltar a voar fortemente, não estou preocupado em relação a isso.”

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago