Semana

Governo pede R$ 3 bilhões para honrar emendas e aprovar Previdência na Câmara

Governo pede R$ 3 bilhões para honrar emendas e aprovar Previdência na Câmara

Na tarde da terça-feira 6, o governo publicou, no Diário Oficial da União, texto no qual pedia ao Congresso Nacional para liberar um crédito extra de mais de R$ 3 bilhões. Na noite do mesmo dia, os deputados aprovaram, em Segundo Turno, por 370 votos a 124, a Reforma da Previdência. Agora, o texto segue para a análise do Senado (leia mais na página 28). Antes da votação em Primeiro Turno, o governo havia prometido liberar R$ 20 milhões em emendas parlamentares para cada deputado que votasse a favor da reforma. A ideia do governo é utilizar esse crédito extra exatamente para honrar a promessa feita aos congressistas. É sabido que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, tinham conhecimento de toda essa articulação.

 

Negócios

Mastercard compra participação na Nets por US$ 3,2 bilhões

Companhia americana de sistemas de pagamento, a Mastercard anunciou, na terça-feira 6, um acordo para adquirir a parte majoritária da europeia Nets por
US$ 3,2 bilhões. Com a compra, a gigante acumulará os serviços de compensação, pagamento instantâneo e as soluções de faturas eletrônicas do negócio de serviços corporativos da Nets. De acordo com a companhia, a meta é complementar as tecnologias Mastercard Send e Transfast, que fazem pagamentos internacionais a contas bancárias, carteiras móveis e cartões. “O acordo mostra a força da nossa estratégia de se manter à frente do panorama em constante mudança”, disse Michael Miebach, diretor de produtos e inovação da Mastercard. A transação deve ser concluída em 2020.

 

Meio ambiente

Com vocês, “o Capitão Motosserra”!

Durante um evento em São Paulo, na terça-feira 6, o presidente Jair Bolsonaro declarou, em tom de ironia: “Eu sou o capitão motosserra”. Especialista em tentar fazer graça com assuntos sérios, Bolsonaro se referia à polêmica que ele mesmo criou ao criticar os números sobre o desmatamento na Amazônia, divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O episódio culminou na demissão do diretor do Inpe, o físico Ricardo Galvão, doutor pelo MIT. Preocupado com o futuro da Amazônia e do País, Galvão alertara para um problema que não deve ter passado pela mente destruidora do capitão. “Se o Inpe parar de medir o desmatamento, nossas exportações serão bastante afetadas”, disse o pesquisador. O que o nosso presidente parece não saber é que há uma enorme pressão de consumidores e governos de países desenvolvidos contra produtos que sejam fabricados às custas do desmatamento da Floresta Amazônica. Curiosamente, no mesmo dia da declaração de Bolsonaro, o Inpe divulgou mais um número assombroso. No mês passado, o desmatamento na Amazônia aumentou 278%, em relação ao mesmo período de 2018 (leia mais na coluna Sustentabilidade).

 

Cultura

Velozes, furiosos e cheios da grana

O novo filme da franquia Velozes e Furiosos é um banho de cenas de ação, com perseguições fantásticas de carros e motos — e muito, muito dinheiro. Com orçamento total de US$ 200 milhões (cerca de R$ 800 milhões), o longa da Universal Pictures já faturou, em apenas uma semana, US$ 220 milhões em todo o mundo. A produção foi intitulada Hobbs & Shaw, numa referência aos personagens interpretados pelos atores principais, Dwayne Johnson e Jason Statham, respectivamente. O longa ainda tem o aclamado ator britânico Idris Elba no papel do vilão. E haja dinheiro para pagar esse trio! Somando os cachês dos três astros, chega-se à bagatela de US$ 41 milhões (mais de R$ 160 milhões). Vale ressaltar que Johnson e Statham ainda vão ganhar bem mais, já que ambos também são produtores e têm participação nos ganhos de bilheteria.

 

Justiça

Juiz manda Lula para SP. Defesa recorre ao STF e fica tudo como estava

Na quarta-feira 7, o juiz Paulo Sorci, do Departamento de Execuções Criminais de São Paulo, determinou que o ex-presidente Lula fosse transferido de Curitiba para o presídio de Tremembé (SP). A defesa do ex-presidente, condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), para que Lula continuasse em Curitiba. O STF, por sua vez, suspendeu, por 10 votos a 1, a decisão judicial, deixando tudo como estava.

 

Brasil

Estados desviam R$ 7 bilhões para cobrir rombo de aposentadorias

Utilizando uma manobra conhecida como “segregação de massa”, governadores desviaram verba pública para tentar equilibrar suas próprias contas de Previdência. Ao menos 12 estados que empregaram o sistema de capitalização da Previdência para parte dos seus servidores extinguiram o modelo ou efetuaram saques de recursos para pagar benefícios. O cruzamento de dados da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia e das secretarias estaduais identificou desvios superiores a R$ 7 bilhões. Dos 12 estados flagrados no esquema, dez estão irregulares em relação ao equilíbrio de suas contas. Os que utilizaram as maiores somas foram Minas Gerais (R$ 3,3 bi), Paraná (R$ 1,6 bi ) e Rio Grande do Norte (R$ 1 bi).

 

Números

US$ 1,5 bilhão – Foi o faturamento do mercado brasileiro de games, em 2018. Com isso, o País é o líder latino-americano em vendas e está na 13a posição no ranking mundial. Até 2022, a receita do setor no Brasil deve crescer 5,3%.

US$ 117 bilhões – Foi o total perdido pelas 500 pessoas mais ricas do mundo apenas na segunda-feira 5, com a queda das bolsas devido à guerra comercial entre EUA e China. O maior prejuízo foi de Jeff Bezos, dono da Amazon: US$ 3,4 bilhões.

44% – É a taxa de endividamento das famílias brasileiras em relação à renda acumulada em 12 meses. Segundo o Banco Central, é o maior nível do indicador, desde abril de 2016, quando chegou a 44,2%.

R$ 348 milhões – É quanto o Ministério da Educação decidiu bloquear na produção, aquisição e distribuição de livros e materiais didáticos no ensino básico.

R$ 182 – É a projeção média de quanto o brasileiro deve gastar com presentes para o Dia dos Pais este ano. De acordo com a Boa Vista SCPC, o valor é 1,7% maior do que o que foi gasto pelos consumidores em 2018.