Economia

Governo italiano aprova garantia para empréstimo de 6,3 bilhões de euros à Fiat Chrysler (oficial)

Governo italiano aprova garantia para empréstimo de 6,3 bilhões de euros à Fiat Chrysler (oficial)

O governo italiano aprovou nesta quarta-feira uma garantia pública para um empréstimo de 6,3 bilhões de euros destinado à montadora Fiat Chrysler (FCA), fragilizada pela crise do novo coronavírus - AFP

O governo italiano aprovou nesta quarta-feira uma garantia pública para um empréstimo de 6,3 bilhões de euros destinado à montadora Fiat Chrysler (FCA), fragilizada pela crise do novo coronavírus.

“É uma operação para preservar e reforçar a filial automobilística italiana e relançar os investimentos, a inovação e o emprego em um setor estratégico para o futuro econômico e industrial do país”, anunciou o ministro da Economia, Roberto Gualtieri.

Fiat retoma atividades em fábricas de MG e PE

Fiat Chrysler planeja reabrir maioria das fábricas nos EUA na semana de 18/5



O empréstimo, concedido pelo banco italiano Intesa Sanpaolo, será garantido em cerca de 80% pela Sace, agência italiana de crédito para a exportação, um sistema previsto no decreto aprovado recentemente para ajudar as empresas a enfrentar a crise.

A FCA negociava desde meados de maio o crédito bancário garantido pelo governo. O objetivo é “financiar as atividades da empresa na Itália e oferecer um apoio adicional a cerca de 10 mil pequenas empresas do setor automobilístico”, explicou, então, a marca ítalo-americana.

A Fiat Chrysler emprega na Itália cerca de 55 mil pessoas e o grupo afirma trabalhar na península com 5,5 mil empreiteiras, que geram cerca de 200 mil empregos.

O setor automobilístico é chave para a economia italiana e representa 6,2% do PIB nacional, mas foi fortemente atingido pela pandemia, que deixou mais de 34 mil mortos no país.

O pedido de garantia havia gerado críticas em alguns setores, já que a sede legal do grupo FCA fica na Holanda. A possibilidade de parte do crédito garantido pelas instituições italianas ir para o exterior gerou questionamentos entre a classe política.

“Uma empresa que pede uma quantidade importante de dinheiro ao Estado italiano deve repatriar sua sede para a Itália”, reagiu no mês passado o vice-presidente do partido Democrático, governista, Andrea Orlando.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago