Economia

Governo da Bahia procura embaixada da China para ter substituto para Ford

Crédito: Divulgação - Governo da Bahia

Rui Castro afirmou que Estado está conversando também com outros países, além da China, com o intuito de achar um possível interessado na unidade fabril (Crédito: Divulgação - Governo da Bahia)

O governador da Bahia, Rui Castro, entrou em contato com a Embaixada da China para sondar possíveis investidores com interesse em assumir o negócio da Ford na unidade de Camaçari.

De acordo com nota divulgada pelo governo baiano, Castro entrou em contato também com a Fieb (Federação das Indústrias do Estado da Bahia) para discutir a formação de grupo de trabalho para avaliar possibilidades alternativas ao fechamento da fábrica.



+ Ford emprega 5,3 mil trabalhadores em fábricas que serão fechadas
+ Ford anuncia fim da produção no Brasil e fechamento de fábricas

No início da noite desta segunda-feira, Castro publicou ainda um vídeo no Twitter afirmando que o Estado está conversando também com outros países, além da China, com o intuito de achar um possível interessado na unidade fabril.

“Hoje mesmo já entrei em contato com a embaixada de outros países para efetivar o convite para que outros fabricantes, outras empresas possam visitar o nosso parque industrial, possam visitar nossa infraestrutura e que possamos o mais rápido possível demonstrar e conseguir o interesse de outros fabricantes para que tenhamos a retomada, o mais rápido possível, da fabricação de carros na Bahia, o que garante a renda e o emprego para milhares de famílias”, disse o governador.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Nesta segunda-feira, a Ford anunciou que vai parar de produzir veículos no Brasil e que fechará as três unidades fabris – além de Camaçari, a montadora tem fábricas em Taubaté (SP) e Horizonte (CE).

No País, a empresa também manterá apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em Tatuí (SP), e sua sede regional em São Paulo.


A montadora emprega cerca de 5.300 trabalhadores nas unidades que  serão fechadas.