Semanal

Governo aceita que a economia piorou, culpa vizinhos e espalha desinformação

Crédito: Alan Santos/Presidência da República

Paulo Guedes criticou as projeções econômicas do FMI em encontro com representantes da Fiesp (Crédito: Alan Santos/Presidência da República)

Quem vê o ministro da Economia, Paulo Guedes, falando em Dubai para empresários árabes sobre o sucesso da economia brasileira pode não saber que uma carta do próprio Ministério fazia previsões de crescimento bem menos otimistas – e mais condizentes com a situação do País. Por meio da Secretaria de Assuntos Econômicos (SAE), o relatório estimativa piora nas expectativas de juros e de inflação. O IPCA para 2021 aumentou de 7,9% para 9,7%. Para 2022, a projeção, que era de 3,75%, saltou para 4,7%. Segundo o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, o motivo da piora foi o cenário internacional, citando a crise de energia que afeta alguns países na Europa e a quebra de cadeias produtivas. “Me parece que tem uma demanda represada e teremos alguns bons resultados no ano que vem”, disse.



Inflação será principal problema econômico em 2022, diz ministro

Mas se o governo tem condições de olhar para o cenário externo e deduzir que as coisas pioraram, parece não conseguir fazer o mesmo dentro do próprio quintal. Os indicadores gerais da economia brasileira mostram uma fragilidade acima do esperado para um período de recuperação, com empresas afogadas em dívidas e olhando atentamente como o galope da Selic irá afetar seus negócios. Nas casas, as pessoas lidam com uma inflação corroendo uma renda que não foi totalmente recuperada desde 2015. A conta de luz pressiona um orçamento reprimido e prejudica mais o mais pobre. As filas e confusão nas agências da Caixa Econômica Federal que aconteceram ontem, data do início do Auxílio Brasil, são a cena exata do que este governo promove. Caos e desinformação.

Sem conseguir traçar métricas claras para abrangência e destino do novo programa, as pessoas estavam ensandecidas em busca de respostas. Quem era beneficiário do antigo Bolsa Família, não sabia se poderia receber porque o cartão de recebimento mudou. Quem fez uso do auxílio emergencial se dizia apto a receber, mesmo sem cadastro. Dentro do banco, os funcionários não tinham certeza de nada. No mercado, as dúvidas também são imperativas. O programa nasce com prazo de validade, com financiamento até o período eleitoral e o gasto extra não está condicionado a nenhuma nova fonte de receita, só um calote negociado no Congresso. Mas mais do que isso, economistas estão preocupados com o fim das contrapartidas. O programa não exigirá, por exemplo, que as crianças que recebem o benefício tenham a carteira de vacinação em dia. Não condiciona o pagamento à frequência em Unidades Básicas de Saúde ou matrícula na escola.

Com um dinheiro liberado de uma forma nebulosa, para atender uma população imensa e confusa e sem qualquer condicionante para o recebimento, o fantasma do “não dê o peixe, ensine a pescar” volta a assombrar os corredores luxuosos prédios da Faria Lima recheados de agentes financeiros. Com muitos pontos de dúvida e poucas certezas, não importa o Brasil que Guedes pinte para investidores estrangeiros nos Emirados Árabes. As expectativas estão piores. E sem sinal de
melhora.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022




Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto

Tópicos

Adolfo Sachsida auxilio brasil bancos projetam Selic BC projeção 2021 Caixa Econômica Federal como o BC pesquisa no grupo Focus como se mede a inflação semanal contas do governo contas do governo 2021 contas do governo primeiro semestre contas do governo projeção déficit primário dólar projeção Doria Bolsonaro ICMS doria icms economia 2021 economia PIB 2021 Emirados Árabes expectativa de crescimento BC 2021 expectativa de crescimento Brasil 2022 expectativa focus expectativas 2021 Banco Central focus projeção 2021 gastos do setor público gastos governo 2021 ICMS ICMS dos combustíveis IGP-M acumulado IGP-M inflação aluguel IGP-M setembro IGP-M significado IGPM acumulado índice do aluguel setembro inflação inflação 2021 inflação 2022 inflação Banco Central inflação Brasil 2021 inflação FGV inflação Focus inflação gastos públicos inflação IGP-10 novembro inflação IPC-s acumulado inflação IPC-s julho inflação Ipea inflação mercado inflação mundial 2021 Inflação mundo crescimento inflação oficial setembro inflação países inflação preços controlados inflação projeção IPC-S significado IPCA IPCA 12 meses 202 IPCA INFLAÇÃO 2021 IPCA setembro ipca significado IPCA-15 recorde juros juros nominais mercado projeção 2021 Ministério da economia projeções o que é grupo Focus O que é inflação e exemplos? o que é ipca? Paulo Guedes PIB economia 2022 preço dos combustíveis dória bolsonaro prévia da inflação IPCA-15 setembro quais os maiores vilões da inflação no Brasil Quanto está a inflação hoje 2021? quem mede a Inflação no Brasil reajuste do aluguel setembro redução ICMS São Paulo Secretaria de Assuntos Econômicos (SAE) secretário de Política Econômica Selic Selic focus BC outubro Selic projeção teto da meta