Google volta a investir em robótica

Google volta a investir em robótica

Sete anos depois dos primeiros investimentos do Google na área de robótica – e da interrupção dos trabalhos por conta das acusações de assédio contra o líder do projeto, Andy Rubin – a empresa volta a operar no segmento, de acordo com o jornal The New York Times. Agora, no entanto, o objetivo é outro. Se antes o foco estava na criação de robôs que imitassem os movimentos e as características humanas, agora o Google deve se concentrar em produzir softwares com capacidade de treinar as máquinas para aprender tarefas operacionais, como separar produtos em um armazém. A companhia não pretende construir robôs, e sim concentrar os esforços em software. O hardware deve ser fornecido por empresas parceiras.

(Nota publicada na Edição 1114 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.