Tecnologia

Google vai usar chips da AMD em serviços de computação em nuvem

Crédito: Arquivo / Reuters

O Google anunciou nesta quinta-feira que vai começar a oferecer serviços baseados no chip "Milan" da AMD (Crédito: Arquivo / Reuters)

SÃO FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) – AMD e Google Cloud anunciaram nesta quinta-feira que o Google vai oferecer serviços de computação em nuvem baseados no mais recente chip dedicado para data centers da AMD, o que deve ampliar a captura de mercado da rival Intel.



Provedores de computação em nuvem como Google, Amazon.com e Microsoft estão entre os maiores compradores de chips especializados para centrais de dados e fornecem serviços mediante aluguel de poder de processamento derivada dos chips que utilizam em suas infraestruturas.

+ Google inaugura sua primeira loja física; veja como ficou

O Google anunciou nesta quinta-feira que vai começar a oferecer serviços baseados no chip “Milan” da AMD, lançado em março. A empresa afirmou que clientes como Snap e Twitter estão testando os novos serviços baseados nos chips da AMD.

A Intel anunciou em abril o chip “Ice Lake”, rival do Milan, e afirmou que grandes provedores de serviços de computação em nuvem iriam utilizá-lo. A Intel, porém, não informou quando o Google vai começar a oferecer serviços baseados no Ice Lake.




Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?