Giro

Google vai permitir que os funcionários se mudem para estados com direito ao aborto

Crédito: Reprodução/Divulgação

A comunicação dirigida a todos os funcionários da Google espalhados pelos EUA reconhece que esta é “uma mudança profunda para o país” (Crédito: Reprodução/Divulgação)



É um tema polêmico e, como tal, as opiniões se dividem. Com cidadãos contra e outros a favor da reversão da decisão do do direito ao aborto nos Estados Unidos, a Google tomou uma posição e já informou os seus funcionários sobre a possibilidade de serem transferidos para os estados onde o direito ao aborto se mantém.

A diretora dos recursos humanos da Google endereçou-lhes uma carta para dar a novidade. Na sequência da decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América (EUA), tomada na última sexta-feira, a diretora dos recursos humanos da Google, Fiona Cicconi, enviou um e-mail aos funcionários, de modo a informá-los da posição e consequente decisão da empresa.

+ Decisão sobre aborto pela Suprema Corte dos EUA desencadeia batalhas jurídicas nos Estados

Vale lembrar que a decisão do Supremo Tribunal não torna o aborto ilegal em todos os estados dos EUA. Ao invés disso, a decisão nas mãos de cada um dos governos estatais. Imediatamente após o anúncio da reversão da decisão do caso Roe vs. Wade, estados como o Missouri, Louisiana e Kentucky restringiram o direito ao aborto. Por sua vez, estados como a Califórnia, onde a Google tem a sua sede, prometeram proteger os direitos relacionados ao aborto.




A comunicação dirigida a todos os funcionários da Google espalhados pelos EUA reconhece que esta é “uma mudança profunda para o país” e destaca que aqueles podem “requerer a recolocação sem justificação” e que os responsáveis pelo processo de transferência estarão “cientes da situação”, aquando da avaliação dos pedidos.

No e-mail, a Google alerta que é preciso ter em mente o que cada funcionário pode estar a sentir e, por essa razão, devem tratar-se com respeito. Além disso, refere que a “equidade é extraordinariamente importante” para si como empresa e que partilha as preocupações sobre o impacto que esta decisão terá na saúde, vida e carreira das pessoas.

Continuaremos a trabalhar para tornar a informação sobre cuidados de saúde reprodutiva acessível em todos os nossos produtos e continuaremos o nosso trabalho para proteger a privacidade dos utilizadores.


Para apoiar a Googlers e os seus dependentes, o nosso plano de benefícios e seguro de saúde dos EUA cobre procedimentos médicos fora do estado que não estão disponíveis onde um funcionário vive e trabalha.

Os Googlers também podem solicitar a transferência sem justificação, e os que supervisionam este processo estarão a par da situação.

Escreveu a Google aos funcionários, acrescentando que está a organizar sessões de apoio nos próximos dias e, mais uma vez, apelando a que todos os funcionários cuidem de si e dos outros.






Tópicos

aborto Aborto -- wikipédia aborto dados pessoais em plataformas digitais aborto deixa de ser legal nos EUA aborto Estados ilegal aborto ilegal nos EUA aborto já foi proibido em oito Estados aborto nos eua aborto revogação Suprema Corte abortos abortos Estados Unidos abortos nos EUA Airbnb Amazon ao menos oito Estados aborto proibido ao menos oito Estados já proibiram aborto ao menos oito Estados já proibiram o aborto Apple auxiliar abortos pode levar a ações contra empresas Biden discurso na Casa Branca após decisão Biden Suprema Corte dos EUA caça às bruxas contra mulheres abortam Citigroup como é o coágulo que sai quando aborta? Como ocorre abortos espontâneos? Como saber se o feto saiu todo compartilhar dados atividades de risco nos Estados Unidos Consequências da interrupção da gravidez corte reverteu decisão de 1973 que reconheceu o direito constitucional ao aborto corte reverteu decisão que reconhecia direito aborto dados digitais pessoas que abortam dados digitais proteção dados pessoais online dados pessoais online sobre abortos dados pessoais podem revelar que mulher abortou dados pessoais sobre aborto em plataformas digitais dakota do sul decisão aborto Suprema Corte dos EUA decisão corte sobre aborto decisão corte suprema aborto decisão deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto e decisão EUA aborto decisão reverte direito constitucional ao aborto decisão Suprema Corte aborto decisão Suprema Corte aborto EUA decisão Suprema Corte aborto nos EUA decisão Suprema Corte deixa os 50 estados da União livres para proibir o aborto decisão Suprema Corte dos EUA decisão Suprema Corte dos EUA sobre aborto decisão Suprema Corte EUA aborto decisão Suprema Corte limita aborto nos EUA decisão vitória republicanos dia monumental para a santidade da vida procurador Missouri dia triste para o tribunal e para o país direito a aborto direito aborto direito ao aborto direito ao aborto a nível federal direito ao aborto EUA Suprema Corte direito ao aborto nos EUA direito ao aborto passa a não ser reconhecido nos EUA direito ao aborto revogado direito ao aborto revogado EUA direito mulheres direito mulheres abortar direito mulheres optar não ter filhos direito sobre corpo mulheres direito sobre o corpo direitos das mulheres a abortar direto mulheres ao aborto discurso na Casa Branca empresas ações judiciais Estados ativistas antiaborto empresas ajuda abortos empresas dos Estados Unidos empresas enfrentem ações judiciais de Estados empresas podem atrair ira de grupos antiaborto empresas podem sofrer processos por ajudar funcionários abortos empresas que anunciaram políticas de reembolso não responderam a pedidos de comentários empresas responsabilidade criminal ajudar abortos era de vigilância online sem precedentes Estados proíbem aborto Estados tornam aborto ilegal Estados Unidos retrocesso aborto EUA proibição ao aborto EUA proibição ao aborto Suprema Corte EUA revogação direito ao aborto EUA voltam a proibir aborto Facebook FFF google Google e Meta governador de Indiana anunciou que convocará legislatura governadora da Dakota do Sul aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou aborto ilegal governadora da Dakota do Sul declarou que aborto ilegal grandes empresas que anunciaram projetos para fornecer esses benefícios Indiana informação é anônima mas acessível com ordem juidicial Instagram joe biden Joe Biden aborto JPMorgan jpmorgan Chase Kristi Noem Kristi Noem governadora Dakota do Sul legislação sobre o corpo das mulheres lei do Mississipi lei do Mississippi que proíbe aborto após 15 semanas lei que proíbe aborto após 15 semanas foi aprovada lei todos os abortos são ilegais em Dakota do Sul leis incentivam cidadãos a denunciar as mulheres suspeitas de terem abortado leis sobre o direito das mulheres a abortar levi strauss lobby pró-escolha lobby pró-vida lyft maioria conservadora Suprema Corte medo caça às bruxas contra mulheres abortam medo de repressão a mulheres que abortam medo pegadas digitais sejam usadas contra as mulheres que abortam messenger meta Metronidazol aborta Microsoft missouri mulheres direito a abortar mulheres que praticaram aborto pegadas digitais O que faz perder o bebê no início da gravidez? ONG Electronic Frontier Foundation Por que acontece abortos? presidente dos EUA presidente dos EUA Joe Biden presidente estados unidos presidente Joe Biden primeiro estado a proibir aborto Missouri pró escolha pró-vida procurador-geral de Missouri primeiro a proibir aborto proibição aborto proteção de dados pessoais mulheres que abortaram proteção de dados pessoais plataformas tecnológicas Quais abortos são legais? Quais são as chances de perder o bebê? questão dos abortos rastreio usuários venda espaço publicitário ultrapersonalizado para anunciantes retrocesso nos EUA aborto revogação direito aborto EUA revogação do direito a aborto Revogação do direito ao aborto Sangramento após interrupção da gravidez suprema corte aborto Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto em todo país Suprema Corte anulou decisão que legalizava aborto no país Suprema Corte anulou decisão Roe v. Wade que legalizava aborto Suprema Corte confirmou lei do Mississippi que proíbe aborto após 15 semanas Suprema Corte confirmou lei que proíbe aborto após 15 semanas Suprema Corte decidiu revogar o direito federal ao aborto Suprema Corte dos EUA Suprema Corte dos EUA anulou decisão de 1973 Suprema Corte dos EUA reverte decisão histórica que garantiu direito ao aborto suprema corte estados unidos Suprema Corte EUA Suprema Corte reverte decisão garantia direito aborto Suprema Corte revoga direito aborto EUA Suprema Corte revogou direito ao aborto Suprema Corte revogou direito federal ao aborto temores caça às bruxas contra mulheres abortam temores sobre dados pessoais online Updated vida mulheres dos EUA em risco vidas mulheres americanas em risco vitória conservadores vitória conservadores aborto EUA vitória de conservadores nos EUA vitória dos pró-vida vitória para conservadores Yelp