Gestão responsável dá lucro

Gestão responsável dá lucro

Não é por falta de entusiasmo do mercado que o Brasil não decola e segue em frente. A julgar pelos novos sinais e apostas dados na semana passada, a temporada de boas novas está apenas começando. Surpreendendo até as expectativas oficiais, já que quase todo mundo no governo esperava demora na virada de humor das agências de classificação de risco, a Moody’s melhorou a perspectiva de crédito do País, elevando-a do patamar de negativa para estável. Foi a primeira revisão para cima desde que o Brasil perdeu o grau de investimento. E isso aconteceu em virtude da arrumação no cenário fiscal, da queda na inflação e dos sinais de retomada, em um ambiente monetário mais equilibrado e responsável.

Gestão é a palavra de ordem que está fazendo a diferença após anos de desastre da administração petista. A comprar a ideia de que internamente se vive uma fase mais promissora estão os investidores internacionais. São eles que vêm, fundamentalmente, turbinando os resultados da bolsa de valores com índices recordes, um após o outro. A entrada forte de capitais ficou ainda mais evidente no leilão de aeroportos – quatro no total – realizado na semana passada. Era o primeiro teste de concessões após os seguidos fracassos protagonizados na administração Dilma.

Com oito propostas de três grupos estrangeiros em jogo, o governo conseguiu arrecadar quase R$ 4 bilhões. Após anos vivenciando a mais dramática recessão da história, a tacada foi vista como o pontapé inicial para a mudança de rumo da economia. A partir do leilão bem-sucedido estão dadas as condições para um plano de concessões em larga escala, incluindo portos, rodovias e grandes projetos de infraestrutura que seguem vagando em banho-maria na esfera estatal. A meta de gradativamente apagar a imagem de um Estado controlador e ineficiente sinaliza ao mundo uma nova etapa do desenvolvimento brasileiro.

Analistas são unânimes em apontar que, com essa postura de repasse de empreendimentos – vitais, mas dispendiosos – à iniciativa privada, os investimentos serão destravados. O Estado precisa ter cada vez mais um papel indutor e não controlador do desenvolvimento. Só assim vai promover a retomada econômica e a geração de empregos que o País tanto precisa. Neste pormenor, também foram registradas importantes conquistas: após 22 meses de retração de vagas, foram gerados quase 36 mil novos empregos com carteira assinada em fevereiro último. De uma forma ou de outra, as reformas, a disciplina orçamentária e a responsabilidade fiscal estão dando o tom de uma gestão responsável que deve levar todos de volta ao lucro.

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

O grande desafio do agronegocio

Na verdade, trata-se de um desafio mortal de imagem, como bem classificou o economista José Roberto Mendonça de Barros. E a questão [...]

A perda do dinheiro verde

Nos últimos dias o País foi tomado pela notícia de que o mundo não irá mais tolerar os abusos de desmatamento e queimadas praticados [...]

Cadê o dinheiro?

O Banco Central anunciou com pompa e circunstância medidas para a ampliação da oferta de crédito. Estavam ali computados nada menos que [...]

O mais lento

O Brasil deve apresentar uma retomada mais lenta do que 90% dos países afetados pela pandemia. Em outras palavras: nove em cada dez [...]

O pior dos piores

Mais um título nada honroso para a galeria de feitos econômicos do Brasil. Pelo levantamento e análise do Banco Mundial, o Brasil deve [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.