Gestão humanizada fortalece o propósito e traz vantagens competitivas ao negócio

Gestão humanizada fortalece o propósito e traz vantagens competitivas ao negócio

A gestão humanizada traz vantagens competitivas como maior atração e retenção de talentos, melhora do clima e dos níveis de produtividade, relações mais estreitas com parceiros e maior satisfação dos clientes finais, além de rentabilidade que pode chegar ao dobro do convencional

Por que empresas se furtam à gestão humanizada e ao fortalecimento do propósito para além dos negócios? Porque elas não colocam as pessoas no centro, a partir de vínculos de respeito, cuidado e valorização.



Pesquisa da USP no projeto Empresas Humanizadas no Brasil, realizada há pouco mais de dois anos e que ouviu milhares de empresas, colaboradores e consumidores, atesta que este modelo de gestão reconhece mais os anseios dos trabalhadores e impulsiona-os a serem apaixonados pelo que fazem e pelas companhias.

O levantamento ratifica que a gestão humanizada traz vantagens competitivas como maior atração e retenção de talentos, melhora do clima e dos níveis de produtividade, relações mais estreitas com parceiros e maior satisfação dos clientes finais, além de rentabilidade que pode chegar ao dobro do convencional.

Em tempos de pandemia, exemplos de gestão humanizada revelam culturas organizacionais inspiradoras e lideranças selecionadas e/ou desenvolvidas para transmitir confiança frente ao grau de responsabilidade, maturidade, protagonismo e performance dos colaboradores.

Na gestão humanizada, lideranças procuram ser influentes no maior equilíbrio entre vida pessoal e carreira. Quando engajados em responsabilidade social, elas despertam todos ao redor para pautas transformadoras do mundo.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



Essas lideranças instigam a igualdade: tratar a todos da mesma forma. Bem como a equidade: olhar para as diferenças levando em consideração o que cada pessoa precisa para gerar oportunidades.

Lideranças com posturas mais humildes, próximas dos colaboradores, abertas ao diálogo, à escuta ativa, ao aprendizado, à comunicação não-violenta, à crítica construtiva (inclusive ante protocolos e regras), ao compartilhamento de experiências e até às tomadas de decisão conquistam credibilidade pela capacidade profissional e pelo bom caráter. Elas aceitam movimentos para mudar o jeito de fazer, desde que para melhor! É isso o que importa ante quaisquer hierarquia ou vaidade.

Tal contexto coloca em xeque as gestões baseadas em comando e controle, bem como os colaboradores que se submetem à aceitação, sem discernimento, bom senso, autonomia, organização e capacidade de propor soluções.

Os profissionais mais requisitados atualmente têm mais acesso à informação e devem estar aptos à adaptação, resiliência, flexibilidade, apoio à diversidade e maior exposição aos riscos. É daí que surge a inovação, cresce a inclusão e as pessoas engajadas no propósito da companhia.

Por mais que as demandas sejam complexas, imprevisíveis e requeiram agilidade, com ações e reações quase sempre em tempo real, a preocupação genuína com o outro, a cooperação e a soma de expertises devem ser disseminadas.

Quando tudo está mais acelerado, por conta da tecnologia, e o modelo de trabalho híbrido (parte nos escritórios e parte em casa) é oficializado, a empatia, a comunicação eficiente, a integração das equipes e o suporte físico, mental e social são fundamentais.

A gestão humanizada depende mais de iniciativas de sensibilidade do que de budget. Pesquise o que os colaboradores esperam da companhia, promova rodas de conversas sobre impactos da pandemia, adote mais campanhas de comunicação e endomarketing, amplie orientações e práticas de bem-estar, forme grupos de apoio ao empoderamento feminino e diversidade, revise os benefícios. Faça o que estiver ao seu alcance para um legado além dos limites institucionais.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto


Sobre o autor

Heverton Peixoto é CEO-Presidente da Wiz. Graduado em Engenharia Civil, com MBA em Corporate Finance no Insead, foi consultor da Mckinsey & Company de 2008 a 2013 em projetos estratégicos no mercado bancário e de seguros da América Latina.


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.