Negócios

Gestão da Oi não deve passar por mudanças, diz Eleazar

Eleito com cerca de 95% dos votos para a presidência do Conselho de Administração da Oi, o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Eleazar de Carvalho Filho, afirmou nesta segunda-feira, 17, que a gestão da empresa não deve passar por mudanças. Segundo ele, o novo colegiado, que conta com cinco membros novos independentes, além de seis que foram reconduzidos, deverá passar por um período de imersão. A proposta principal é garantir a implementação do plano de recuperação judicial.

“Agora temos que fazer com que aquilo que foi falado seja cumprido”, afirmou Eleazar, frisando que a empresa está em período de silêncio, em atendimento às regras da Secutirities and Exchange Commission, já que fará aumento de capital de R$ 4 bilhões previsto na recuperação judicial.

Para o novo presidente do conselho, o plano tem uma agenda de trabalho que permite não apenas endereçar os problemas do passado, mas também os novos desafios do setor de telecomunicações. “O plano tem um investimento forte. É o que temos aprovado e o que vamos perseguir”, disse.

Durante a assembleia, o ex-presidente do conselho, José Mauro Carneiro da Cunha, que permaneceu no cargo por 12 anos, ressaltou o papel dos executivos da companhia no processo de recuperação judicial. “Esse grupo estabilizou a companhia operacionalmente, equacionou seu balanço, mudou o patamar de governança, fez avanços em qualidade e preparou a empresa para um novo ciclo de investimentos. Tenho certeza que a empresa está em uma rota favorável para o seu desenvolvimento”, afirmou após a confirmação do nome de Eleazar para substituí-lo. Cunha permanece no conselho.