Negócios

Gap fechará todas as lojas no Reino Unido e na Irlanda

Crédito: Divulgação / Catarina Fashion Outlet

A marca acrescentou que também estão em andamento planos para vender seus pontos de venda na França e na Itália (Crédito: Divulgação / Catarina Fashion Outlet)

A Gap fechará todas as 81 lojas no Reino Unido e na Irlanda até o final de setembro e ficará totalmente online, enquanto a marca se ajusta às mudanças nos hábitos de compra após a pandemia. A varejista americana de roupas, dona da Old Navy e da Banana Republic, disse em um comunicado nesta quinta-feira (1) que os fechamentos afetarão as lojas operadas pela empresa. A marca acrescentou que também estão em andamento planos para vender seus pontos de venda na França e na Itália. As informações são da CNN Business.

A decisão segue uma revisão estratégica dos negócios europeus que começou no ano passado “com o objetivo de encontrar maneiras novas e mais econômicas” de servir os clientes na região, informou a empresa. A Gap anunciou um plano de três anos em outubro para fechar centenas de lojas na América do Norte, totalizando quase um terço de sua presença no varejo.

A empresa teve que se adaptar para o comércio eletrônico acelerado pela pandemia, que desafiou os varejistas tradicionais e contribuiu para a falência de marcas estabelecidas, como a Brooks Brothers.

+ Megaplano de retomada econômica europeu funcionará? Espanha cética, Itália otimista



A Gap culpou a “dinâmica do mercado” por sua decisão de fechar lojas no Reino Unido e na Irlanda, que ocorrerá de forma “gradual” até o final de setembro. A marca não informou quantos empregos seriam afetados.

De acordo com a empresa, há negociações com um “parceiro em potencial” na Itália e com a Hermione People and Brands, do ramo de varejo da incorporadora imobiliária FIB Group, para adquirir as lojas Gap na França.

A Gap foi inaugurada em Londres em 1987, marcando sua primeira expansão fora dos Estados Unidos. Está presente na Irlanda desde 2006.

A marca tem lutado para competir com um número crescente de rivais no “espaço casual”, em shopping centers e nas principais ruas onde muitas de suas lojas estão localizadas, informou em nota. A saída física representará um novo desfalque nas principais ruas da Grã-Bretanha, que já estão sofrendo com o fechamento da Debenhams, a maior rede de lojas de departamentos do país.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km