Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

Futebol é coisa de menina

Futebol é coisa de menina

A sudanesa Salma al-Majidi, de 25 anos, tornou-se a primeira mulher árabe a treinar uma equipe de futebol da primeira divisão, de acordo com o registro da FIFA. Ela assumiu a direção do Al Ahly Al Gadaref, da cidade de El-Gadarif, na região leste do Sudão, que venceu 39 vezes a Liga egípicia. Al-Majidi disse à agência France Press que se apaixonou pelo futebol aos 16 anos, quando acompanhava o time do seu irmão na escola. A falta de equipes femininas a obrigou a tentar a sorte junto com os homens. Seus comandados a chamam, carinhosamente, de “irmã treinadora”. “Se temos mulheres professoras, qual o problema de termos uma treinadora”, afirmou Majid Ahmed, atacante da equipe.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Combustível que vem do esgoto

Um projeto da Sabesp, empresa responsável pelo abastecimento de água em São Paulo, está gerando combustível a partir do esgoto. [...]

Contagem regressiva

A Cidade do Cabo, na África do Sul, conseguiu evitar que a população ficasse totalmente sem água, após lançar uma campanha que deu [...]

Bloco cheio de corais

Um estudo realizado pelo Greenpeace aponta que a extensão dos Corais da Amazônia é maior do que se imaginava. Descobertos recentemente [...]

Meu nome não é George

Um projeto brasileiro da HP, fabricante de impressoras, vai permitir que escritoras do século 19 e início do século 20 tenham seus [...]

Acordo marítimo

Governos de 170 países, incluindo o Brasil, aprovaram um acordo para reduzir a emissão de gases do efeito estufa na indústria marítima, [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.