Edição nº 1078 13.07 Ver ediçõs anteriores

Futebol é coisa de menina

Futebol é coisa de menina

A sudanesa Salma al-Majidi, de 25 anos, tornou-se a primeira mulher árabe a treinar uma equipe de futebol da primeira divisão, de acordo com o registro da FIFA. Ela assumiu a direção do Al Ahly Al Gadaref, da cidade de El-Gadarif, na região leste do Sudão, que venceu 39 vezes a Liga egípicia. Al-Majidi disse à agência France Press que se apaixonou pelo futebol aos 16 anos, quando acompanhava o time do seu irmão na escola. A falta de equipes femininas a obrigou a tentar a sorte junto com os homens. Seus comandados a chamam, carinhosamente, de “irmã treinadora”. “Se temos mulheres professoras, qual o problema de termos uma treinadora”, afirmou Majid Ahmed, atacante da equipe.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Última sugada

O Rio de Janeiro dá um exemplo do que parece ser uma tendência inexorável. Ele será a primeira grande cidade brasileira a banir o uso [...]

Carros fraudados

A montadora japonesa Nissan admitiu ter falsificado testes de emissão de poluentes em cinco de suas fábricas no Japão. Apesar de ter omitido o número de veículos que tenham sido afetados, sabe-se que os problemas na medição de emissão de poluentes e da economia de combustíveis foram identificados no exame de 19 modelos. De acordo […]

É proibido vender

Depois de fiscalizar centros de distribuição em São Paulo, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis [...]

Chocolate para todos

A fabricante americana de chocolates Hershey informou que nutriu mais de 208 mil crianças em 2017, de acordo com seu relatório anual de [...]

Comércio sustentável

O Mercado Livre firmou parceria com o Ministério do Meio Ambiente para a Ecofriday deste ano. A ação, que será realizada entre os dias [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.