Fundo para energia fotovoltaica

Fundo para energia fotovoltaica

A Empírica Investimentos lançou um fundo em direitos creditórios (FIDC) voltado para o mercado de energia solar do Brasil. Em parceria com a Insole, fintech que financia soluções em energia fotovoltaica, os direitos creditórios cedidos ao fundo, tanto lastreados em CCBs quanto em contratos de aluguel de equipamentos, terão prazo máximo de pagamento de até cinco anos. A expectativa é que sejam viabilizados cerca de R$ 150 milhões de contratos somente no primeiro ano. “A princípio serão cedidos ao FIDC apenas contratos firmados junto a pessoas jurídicas. Posteriormente, será analisada a aceitação de contratos junto a pessoas físicas”, afirma Giuliano Longo, sócio-diretor da Empírica.

(Nota publicada na edição 1158 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Meninas entram no mundo da robótica

O projeto As Donas da Robótica, do Instituto Francisca de Souza Peixoto, foi aprovado para receber aporte do Fundo da Infância e [...]

Sem trabalho infantil

É difícil encontrar alguém que não goste de chocolate. Mas há um problema por trás de sua produção que muita gente não imagina. A [...]

Energia limpa e 60% nacional

A turbina eólica Cypress, fabricada pela GE Renewable Energy, obteve o código Finame depois de o BNDES aprovar o credenciamento do [...]

Iberostar investe na economia circular

O grupo espanhol Iberostar, com três resorts no Brasil – dois na Bahia e um no Amazonas –, colocou a economia circular no centro de sua [...]

Suporte é ferramenta para evitar acidentes ambientais

Nos meios produtivos, o cumprimento de exigências ambientais depende muito da qualidade e do uso correto de determinados dispositivos. [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.