Fundo para energia fotovoltaica

Fundo para energia fotovoltaica

A Empírica Investimentos lançou um fundo em direitos creditórios (FIDC) voltado para o mercado de energia solar do Brasil. Em parceria com a Insole, fintech que financia soluções em energia fotovoltaica, os direitos creditórios cedidos ao fundo, tanto lastreados em CCBs quanto em contratos de aluguel de equipamentos, terão prazo máximo de pagamento de até cinco anos. A expectativa é que sejam viabilizados cerca de R$ 150 milhões de contratos somente no primeiro ano. “A princípio serão cedidos ao FIDC apenas contratos firmados junto a pessoas jurídicas. Posteriormente, será analisada a aceitação de contratos junto a pessoas físicas”, afirma Giuliano Longo, sócio-diretor da Empírica.

(Nota publicada na edição 1158 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Campanha global para monitorar ar de edifícios

O World Green Building Council – com a organização independente de pesquisa Wilson Center, a rede mundial do Dia da Terra e o GBC Brasil – lança a campanha Plant a Sensor, com o objetivo de instalar dispositivos para monitorar a qualidade do ar dentro e fora de edifícios. Segundo a Organização Mundial da Saúde […]

Latinhas de alumínio: preferência nacional

Segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) e da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), [...]

Clima esquenta, Ebitda esfria

As mudanças climáticas, com elevação da temperatura em todo o planeta, trarão impactos nas cadeias produtivas de todos os setores [...]

O dilema do agronegócio

Reúso e tratamento de efluentes são as soluções para reduzir o consumo de água no agronegócio. É o que defende Leo Cesar Melo, CEO da [...]

Azul seguros reduz uso de papel

Aqui vai um exemplo de como a tecnologia pode ajudar empresas a serem ambientalmente mais sustentáveis. A Azul Seguros, do grupo Porto [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.