Geral

Fundadores do Sleeping Giants são ameaçados nas redes sociais

Crédito: Reprodução / Twitter

O SGB publica, em seu Twitter ou Instagram, um alerta de que determinada empresa está anunciando em sites que propagam fake news (Crédito: Reprodução / Twitter)

O grupo Sleeping Giants Brasil (SGB) tem feito com que diversos sites de extrema direita percam dinheiro de anunciantes. O SGB publica, em seu Twitter ou Instagram, um alerta de que determinada empresa está anunciando em sites que propagam fake news. Depois do post, as empresas têm retirado seus anúncios das páginas acusadas.

No último domingo (13), a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, revelou a identidade dos fundadores do SGB, que operavam de forma anônima. O grupo é formado por um casal de 22 anos de Ponta Grossa, no interior do Paraná: Leonardo de Carvalho Leal e Mayara Stelle.

+ Juiz condena Bolsonaro a indenizar colunista por acusação de ‘fake news’
+ CPI das Fake News nas Eleições de 2018 da Alesp aprova relatório alternativo

Após a divulgação da matéria, o casal tem recebido ameaças nas redes sociais. Diversas pessoas não acreditaram que os jovens eram responsáveis pelo perfil e chegaram a colocar hashtag #OrangeGiants nos assuntos mais comentados do Twitter.

Segundo a colunista, Mayara e Leonardo devem passar até 60 dias no local onde estão agora, até que considerem seguro voltar à sua cidade natal. O perfil Troop do Bolsonaro, por exemplo, disse no Twitter que o “Sleeping comunistas devem morrer!!!!”.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel